segunda-feira, 15 de julho de 2013

ARTIGO: "Democracia Burguesa e Fascismo" (Harpal Brar) - parte II

Em maio de 2000, Harpal Brar, presidente do Partido Comunista da Grã Bretanha (Marxista-Leninista), apresentou o artigo "Democracia Burguesa e Fascismo", no Seminário Internacional Primeiro de Maio, em Bruxelas, organizada pelo Partido do Trabalho da Bélgica (PTB). Como já publicamos anteriormente, nós traduzimos o artigo e iremos publicá-lo em partes nos próximos dias. Segue a segunda parte, os pontos sobre a Itália e a Alemanha.


"DEMOCRACIA BURGUESA E FASCISMO"

1. Fascismo: Crescimento repentino?
2. O que é o Fascismo?
3. Itália, então um país atrasado
4. Alemanha, a traição da Socialdemocracia
5. A Socialdemocracia aos olhos dos capitalistas
6. Fascismo e Demagogia
7. Fascismo e a Guerra
8. As bases das Liberdades Democráticas nos Estados imperialistas
9. Estados como Grã Bretanha, França ou Estados Unidos são alheios ao Fascismo?

-----
3. Itália, então um país atrasado

Passar de uma linha política de métodos liberais à uma política fascista não é uma mudança repentina. São as duas metades de uma mesma política. Enquanto as forças da burguesia não estão preparadas, utilizam dos líderes reformistas para rechaçar a ofensiva revolucionária, ao mesmo tempo em que preparam secretamente a eliminação direta, pelas armas, do movimento proletário. Enquanto enganam as massas com falsas concessões, racham a sua unidade por meio dos bons serviços da socialdemocracia, e os “liberais” e “democráticos” governantes equipam e armam secretamente o fascismo. Quando essa etapa se completa, com as forças proletárias suficientemente debilitadas, a violenta contrarrevolução tem o caminho aberto. A furiosa ofensiva do fascismo (na Itália e em outros países) foi executada sob a benévola proteção dos governos liberais e socialdemocratas (Giolitti e os seus sucessores na Itália). 

A experiência italiana permite-nos ver uma demonstração clássica de transição da democracia burguesa ao fascismo, da qual podemos tirar três conclusões principais que apresentam importantes revelações:

O movimento revolucionário estava ferido, não pela burguesia nem pelo fascismo, mas sim pelas pobrezas e carências internas da direção revolucionária, consequência do seu reformismo.

O fascismo aparece em cena para jogar o papel de herói (sob a proteção militar e policial) para acossar e massacrar um exército já em retirada, depois que o avanço do proletariado fora quebrado por dentro, e estendeu no seu interior a desilusão, graças aos Turatis e D’Aragonas do reformismo italiano.

A transição para uma clara ditadura fascista, longe de ser uma transformação brusca na política burguesa, foi, ao contrário, a continuação da política burguesa através de outros meios e em novas condições.

O fascismo foi alimentado e se desenvolveu dentro das condições da democracia burguesa; e quando as condições amadureceram, foi colocado na posição de poder exercer a ditadura terrorista do grande capital sob a classe operária e outras camadas intermediárias.

4. Alemanha, a traição da Socialdemocracia
Em novembro de 1918, a classe operária alemã derrotara o velho Estado e a sua vitória era total:
“Em novembro de 1918, a revolução era o único trabalho do proletariado. O proletariado conquistou uma posição tão poderosa que os elementos burgueses, em um primeiro momento, nem tentaram resistir” (Kautsky, A Revolução Proletária, 1931)
Como foi possível que esta situação de vitória do proletariado, em 15 anos, mudar totalmente? A socialdemocracia é a resposta.

Ainda que a socialdemocracia alemã tivesse do programa revolucionário marxista e tivesse uma longa e gloriosa tradição, na era do imperialismo, o oportunismo, o cretinismo parlamentar, a corrupção, e as políticas economicistas do sindicalismo tinham uma força cada vez maior dentro do partido. O começo da Primeira Guerra Mundial em 1914 completou este processo, com o Partido Socialdemocrata da Alemanha (SPD) aberta e desavergonhadamente ao lado do Kaiser Wilhelm, do militarismo alemão e da burguesia. Adotando o lema “defesa da pátria” em uma predatória guerra imperialista, a socialdemocracia alemã, como seus homólogos em outros países europeus (a única e honrosa exceção foram os bolcheviques na Rússia), traiu a classe operária e enterrou a bandeira do internacionalismo proletário. A Revolução de novembro de 1918 foi organizada por elementos revolucionários dispersos que se juntaram, nas mais complicadas condições de censura de guerra e censura de partido, na ilegal Liga Espartaquista (fundada em 1916) e no Partido Socialista Independente (fundado em 1917).

O SPD não jogou nenhum papel na vitoriosa Revolução de 1918. Pelo contrário, se opôs à revolução desde o primeiro momento. Em Berlim, Scheidermann declarava:
“A acusação de que a socialdemocracia buscou ou preparou a Revolução de novembro é uma ridícula e estúpida mentira dos nossos opositores” (R. Palme Dutt).
Quando estourou a revolução, os líderes socialdemocratas ocuparam posições ministeriais no Governo de coalizão do Príncipe Maximilian von Baden. No período crítico, o seu executivo declarou a população que não apoiava a revolução. Mas com o triunfo da revolução em 9 de novembro, os líderes socialdemocratas correram à Liebneckt e aos Independentes para mendigar um posto no comando da revolução vitoriosa e formar um governo de coalizão. Sem levar em conta o conselho de Liebneckt, os Independentes morderam o anzol em nome da unidade e formaram uma coalizão com os socialdemocratas, isto quer dizer, com os inimigos da revolução, os agentes da burguesia. Foi assim que a influência burguesa foi restaurada no coração do novo regime pela socialdemocracia traidora.

Longe de destruir a velha máquina estatal – o exército, a polícia, o judiciário e a burocracia reacionária – o governo socialdemocrata protegeu o velho regime com cada medida que tomou. Ao invés de armar o proletariado para a defesa da revolução, não só ordenou o desarmamento dos trabalhadores, como também armou um corpo especial contrarrevolucionário, sob o comando de oficiais monarquistas ultrarreacionários. E foram estas tropas da Guarda Branca que afogaram a revolução proletária em sangue. Liebneckt e Rosa Luxemburgo foram assassinados brutalmente. Os seus assassinos, impunes, regozijaram-se do seu crime debaixo da proteção do governo socialdemocrata. Firme e sistematicamente, com a aplicação de um terror ilimitado, a resistência dos trabalhadores foi quebrada do final de 1918 até 1919. Com o fracasso da Revolução de 1918 motivado pela atuação da socialdemocracia, a base foi colocada para o subsequente ascenso do fascismo.

Longe de ser cegueira, loucura ou estupidez, como os seus apologistas querem nos fazer acreditar, os líderes socialdemocratas atuaram assim somente para cumprir seu ardente desejo de “salvar a Alemanha do bolchevismo”, isto é, salvar o capitalismo. Para alcançar este objetivo, a socialdemocracia estava preparada para cometer qualquer crime, qualquer ultraje, contra o proletariado.

Enquanto os corpos armados contrarrevolucionários ilegais foram protegidos e tolerados pela socialdemocracia e pela Entente, a tentativa de autodefesa dos trabalhadores com a organização de uma Frente Vermelha foi reprimida brutalmente pelo socialdemocrata Ministro do Interior em 1929. Assim foi construída a República de Weimar, que existiu de 1918 até 1932, sob a base de uma coalizão entre a burguesia e a socialdemocracia. Durante a maior parte destes anos, a socialdemocracia fez parte do Governo Federal (de 1918 a 1925, com a presidência de Friedrich Ebert, e de 1928 a 1930, no gabinete de Hermann Müller). A polícia estava nas mãos de políticos socialdemocratas. Em vista disso, não é exagerado dizer que o fascismo subiu ao poder sob a proteção da socialdemocracia.

Embora no papel, a República de Weimar fosse “a melhor democracia do mundo”, na realidade era um instrumento para a manutenção das instituições reacionárias do velho regime. A República de Weimar apelou aos monarquistas e generais para defendê-la dos comunistas, e assim a violenta repressão contra os trabalhadores, com frequente uso da Lei Marcial e leis de emergência contra o proletariado. Por isso, um famoso jornalista burguês estadunidense, Mowrer, que não tinha nenhum sentimento revolucionário, teve que disser sobre esta “república democrática”:
“Uma virginal República que apela aos antigos monarquistas e generais para defendê-la dos comunistas!...
“Que podemos dizer de uma república que permite que as suas leis sejam interpretadas por juízes monárquicos; o seu governo é administrado por antigos funcionários fiéis ao velho regime; que assiste passivamente como os professores reacionários ensinam aos rapazes a desrespeitar a liberdade atual em favor de um pretensioso passado feudal; que permite e incentiva o renascimento do militarismo, que foi o principal responsável pela sua humilhação anterior?
“O que se pode dizer de democratas que subsidiam antigos príncipes que atacam o regime; que fazem o ex-imperador o homem mais rico em deferência a supostos direitos de propriedade...? Esta República pagou generosas pensões a milhares de ex-oficiais e funcionários que não escondem o desejo de derrubá-la.” (Edgar Ansel Mowrer, Germany puts the clock back, citado em R. Palme Dutt).
Eram estas, precisamente, as condições nas quais o fascismo utilizou o descontentamento generalizado, as dificuldades econômicas e raiva universal contra o humilhante Tratado de Versalhes e o seu tributo. Isto só pode ser feito, no entanto, por que a socialdemocracia alemã, que tinha a liderança sobre a maioria da classe trabalhadora, longe de atuar sobre essas questões, estava completamente identificada com o capitalismo, com o regime de Versalhes e com a repressão das massas proletárias. Para coroar tudo isso, a regime “democrático” burguês ajudou o fascismo a construir seus corpos armados, protegendo-o de cima e auxiliando-o diretamente com a máquina estatal – polícia, judiciário e grandes capitalistas – até colocá-los finalmente no poder.

O fascismo alemão não tinha nenhuma possibilidade de chegar às massas e construir assim uma ampla base de massas sem a pretensão de levantar a bandeira do “socialismo”. Nessa época a propaganda nazista caracterizava-se por uma mistura eclética de demagogia contraditória e pouco escrupulosa, antissemitismo visceral, retórica anticapitalista selvagem e denúncia chauvinista do Tratado de Versalhes. Em seu Mein Kampf, em um parágrafo suprimido desde a 12ª edição, em 1932, Hitler afirmava:

“O alemão não tem a mínima noção de como de como se deve enganar um povo se é a adesão das massas que é buscada”. O modelo de Hitler era a propaganda de guerra britânica, que era objeto de sua admiração como o melhor exemplo de mentira demagógica.

O dramático avanço do fascismo alemão de 1930 até 1932 explica-se pelo fato de que a crise econômica mundial não só minou toda a base da estabilização e da República de Weimar, como também minou a posição da socialdemocracia, que estava intimamente associada a estes. A crise econômica e o regime de forme de Heinrich Brüning expuseram finalmente a falência total das promessas e dos contos de fadas da socialdemocracia sobre o progresso democrático pacífico e a prosperidade do capitalismo. Com a propagação da desilusão com a socialdemocracia, os trabalhadores conscientes de sua classe passaram ao comunismo, enquanto os elementos atrasados entraram para o campo fascista. Entre 1930 e 1932, a socialdemocracia perdeu 1.338.000 votos, o Partido Comunista ganhou 1.384.000. Com a Socialdemocracia enfraquecida e desacreditada já não capaz de frear o crescente avanço do comunismo e a consequente polarização da sociedade em dois polos hostis claramente definidos, o capitalismo alemão necessitava novos métodos e novos instrumentos. Diante de uma crise econômica sem precedentes, a burguesia precisava desesperadamente acabar com as conquistas sociais da Revolução de 1918 no campo dos salários, horas de trabalho e legislação social, que até então constituíam os pilares da influência da socialdemocracia entre o proletariado. Ao invés das concessões dos primeiros anos após a revolução, o capitalismo tinha que colocar em prática medidas draconianas de privações econômicas para a classe trabalhadora. Para atingir esse objetivo, tendo em vista a existência de um poderoso Partido Comunista, com uma forte e crescente influência sobre a classe operária, e o declínio da socialdemocracia, o capitalismo alemão precisou de uma nova – e nua – forma de ditadura. Sem cerimônia, a socialdemocracia foi posta de fora do Governo Federal e substituída pela ditadura de Heinrich Brüning no verão de 1930, que governou sem parlamento por meio de decretos de emergência, mas com apoio socialdemocrata. Foi a partir deste período – no tempo da ditadura de Brüning – quando a esmagadora maioria dos capitalistas e proprietários alemães transferiu completamente a sua fidelidade ao Nacional-Socialismo, até então apoiado parcialmente como instrumento de sua ditadura terrorista. Se a socialdemocracia buscasse uma aliança com os comunistas para construir uma resistência conjunta à feroz ofensiva da ditadura de Brüning, é perfeitamente razoável supor que a ofensiva capitalista não teria sucesso. Porém, em nome da política do “mal menor” a socialdemocracia apoiou a ditadura de Brüning e os seus ferozes ataques à classe trabalhadora. Com isso fortaleceu o capitalismo, enfraquecido diante dos trabalhadores, desorganizou as fileiras proletárias e fez o jogo do fascismo. Esta desorganização das forças do proletariado no período crítico de 1930-1932 significou que os ganhos políticos da fome generalizada, que deveria ter fortalecido o campo proletário, ao invés disso, passou para o fascismo.

Antes dos nazistas subirem ao poder, o Partido Comunista junto à RGO (Oposição Sindical Revolucionária) publicaram chamados ao Partido Socialdemocrata e à Conferederação Sindical Geral Alemã (Allgemeinen Deutschen Gewerkschaftsbund - ADGB) para a unidade de ação de todas as organizações operárias contra o iminente corte de salários (abril de 1932), contra a política de decretos de emergência e pela dissolução das tropas de assalto (20 de julho de 1932). Estas duas petições foram rejeitadas sob a desculpa esfarrapada de que o apelo à greve geral constituía uma provocação, e que a eleição era o único instrumento válido contra o fascismo. Uma terceira chamada para a formação de uma Frente Única foi publicada pelo Partido Comunista em 30 de janeiro de 1933, após Hitler ter sido nomeado Chanceler. Este chamado teve tamanho apoio popular que o SPD, ainda que não tenha respondido oficialmente, teve que explicar a resposta negativa em suas próprias publicações. Rejeitando expressamente toda ação conjunta contra Hitler, uma vez que ele tinha alçado ao poder legalmente, o Partido Socialdemocrata propôs ao Partido Comunista um “pacto de não agressão”, isto é, abstenção da crítica verbal mútua. O quarto chamado para constituir uma frente única, em 1º de março de 1933, depois do incêndio do Reichstag quando se desencadeou o desenfreado terror nazista, também ficou sem resposta dos líderes socialdemocratas, então ocupados em chegar a um entendimento com os hitleristas para que a socialdemocracia fosse tolerada sob o fascismo. Ignorantes reforçam a crítica de que a ênfase dada pelo Partido Comunista sobre a “frente única pela base” e sua falha em não apelar diretamente para a liderança socialdemocrata alemã e sindicatos antes que 1932 contribuíram para o fracasso da classe trabalhadora na tentativa de frear o avanço do fascismo. Essa crítica é totalmente infundada, já que não leva em conta as condições concretas da Alemanha naquela época. Quando o socialdemocrata, Karl Severing, em sua condição de Ministro do Interior, mandou disparar contra as manifestações dos trabalhadores no 1º de Maio de 1929, seria absurdo propor à direção socialdemocrata uma frente única para defender os trabalhadores. Porém com a expulsão de Otto Braun e Karl Severing do governo por Von Papen, a situação se modificou, e o Partido Comunista enviou sua proposta ao SPD e à ADGB. A categórica negativa destas duas organizações à proposta dos comunistas garantiu a vitória do fascismo.

Assim, a construção de uma frente única da classe operária, única possibilidade de derrotar os nazistas, foi impossibilitada pela obstinada recusa da socialdemocracia em cooperar com os comunistas, uma resposta negativa que preparou o terreno para a vitória do fascismo. Essa atitude da socialdemocracia vai ao encontro com sua linha de colaboração de classe com a burguesia e a sua confiança no Estado burguês – uma linha política seguida inclusive durante a ditadura de Hinderburg, Brüning e Von Papen, declarando que eram um “mal menor” comparado com a vitória absoluta do fascismo. Longe de ser um mal menor, estas formas de ditadura  apenas preparam o terreno para a vitória completa do fascismo, destruindo, passo a passo, a resistência da classe operária. Com o seu trabalho concluído, entregaram aos hitleristas. Hinderburg foi empossado como presidente com o apoio da socialdemocracia. E após um ano, ele nomeou Hitler como Chanceler. Mesmo depois da vitória hitlerista, a Socialdemocracia recusou a se opor, pela razão de que o fato de terem chegado ao poder “legalmente”, foi um “mal menor” do que um terror nazista “ilegal”.

Sem êxito em seus esforços para garantir a cooperação da socialdemocracia em uma frente única da classe operária contra os ataques do capital e os regimes ditatoriais, o Partido Comunista foi capaz de construir uma frente parcial, possibilitando o aumento da resistência da classe operária, que culminou na greve dos transportes em Berlim em novembro de 1932. A greve foi liderada pela opositora RGO, depois que os funcionários do sindicato oficial se negarem a apoiar a greve que fora votada majoritariamente pelos trabalhadores. Paralelamente a isso, as eleições de novembro de 1932 demonstraram a crescente resistência da classe operária: enquanto os votos nazistas caiam em 2 milhões e os votos socialdemocratas em 700 mil, o Partido Comunista aumentava em 700 mil, chegando a quase 6 milhões. No dia 17 desse mesmo mês de novembro, Von Papen é obrigado a renunciar a seu cargo, e esta demissão foi seguida de longas negociações entre Hindenburg e Hitler. Diante da crescente militância da classe trabalhadora, considerou-se inoportuno nomear Hitler como Chanceler e assim foi designado von Schleicher. Este ofereceu algumas poucas concessões à classe operária, recebendo o aplauso das direções do Partido Socialdemocrata e do sindicato oficial, e assim conseguiu diminuir a resistência da classe operária que estava sob a nociva influência da socialdemocracia. Uma vez que as condições necessárias foram preparadas, Hitler foi nomeado Chanceler em 30 de janeiro de 1933. O refluxo da maré fascista que se evidenciou nas eleições de novembro de 1932, longe de sinalizar o começo de seu fim, como assim propagandeava a socialdemocracia, simplesmente convenceu a burguesia de que deveriam acelerar a ascensão do fascismo ao poder antes que fossem irremediavelmente afundados e que os comunistas subissem ao poder.
 “Depois da derrota dos Nacional-socialistas nas eleições do Reichstag de novembro, os grandes homens de negócios alemães decidiram que o perigo imediato estava na desintegração demasiada rápida do Partido Nazista” (Hoover, Germany Enters the Third Reich, citado em R. Palme Dutt)
Então, os grandes capitalistas decidiram instalar os fascistas no poder com o único objetivo de permitir que utilizarem o Estado para reconstruir as suas forças e aniquilar toda a oposição.

Enfraquecer a vontade de resistência da classe operária alemã não foi obra do fascismo mas sim da socialdemocracia, cujos dirigentes trataram a perspectiva de um governo nazista como uma luz favorável. Assim, em abril de 1932, Karl Severing afirma: “O Partido Socialdemocrata, tanto quanto o Partido Católico, está inclinado a ver os nazistas compartilharem as responsabilidades do governo”. (R. Palme Dutt).

Ao chegar ao poder, Hitler armou as suas Tropas de Assalto, incorporando-as ao corpo de polícia auxiliar, com a atribuição especial de policiar as eleições marcadas para o dia 5 de março. Suprimiu toda a imprensa socialdemocrata e comunista, prendeu os seus principais líderes, proibiu todas as reuniões da classe trabalhadora e propaganda operária, desencadeou um regime de terror e realizou as eleições nestas condições. Estas eleições, realizadas “sob os grilhões do vil terrorismo”, como corretamente comentou o Daily Herald de 4 de março de 1933, e acompanhadas por irregularidades graves (em alguns distritos, os números de votos excedeu o número do eleitorado) dificilmente refletiam os desejos do povo alemão. Ignorando tudo isso, a Socialdemocracia recorreu ao argumento de que agora Hitler tinha um “mandato democrático”, e que não era justificável opor-se a ele, a não ser como “uma oposição parlamentar leal”. Levando o cretinismo parlamentar até o extremo de apoiar um regime terrorista fascista por que tinham maioria no Parlamento, sem ter em conta que essa maioria foi conquistada na ponta da baioneta em eleições realizadas sob terror, Stampfen, o antigo editor de Vorwärts, escreveu:
“A vitória dos partidos do governo tornou possível governar respeitando estritamente a Constituição".
"Eles só tem que agir como um governo legal, para que nós sejamos, naturalmente, uma oposição legal, se eles optam por usar sua maioria para as medidas que permanecem no âmbito da Constituição, iremos nos limitar ao papel de seus críticos justos."
Por sua vez, Kautsky, contemporâneo do líder da Segunda Internacional e considerado como o melhor teórico marxista depois da morte de Marx, mas que desde muito tempo defendia posições totalmente degeneradas, escrevia:
“A ditadura conta com o respaldo das massas”.
Kautsky percorrera um longo caminho desde 1906, quando publicou o seu famoso O Caminho do Poder. Começando com o oportunismo nas questões das tarefas da revolução proletária diante do Estado burguês, através do seu apoio a imperialista Primeira Guerra Mundial e sua oposição à revolução proletária na Rússia, ele rolou para o fundo da sarjeta, escrevendo peças que embelezavam o regime hitlerista como fundado com apoio das massas.

William Norman Ewer do Daily Herald, escreveu que o triunfo de Hitler era “...uma vitória da democracia” por que ele “chegou ao poder por meio do mais estrito respeito à constituição... É claro que houve certos atos de intimidação. Sempre existem... As estatísticas são a prova de que as eleições foram praticamente livres” (“Why Hitler Triumphed, Plebs, Abril de 1933, citado em H. Palme Dutt)

Desta maneira a socialdemocracia tentou esconder o seu servilismo ao fascismo, primeiro ignorando as condições de terror sob as quais a eleição de 5 de março foi realizada, em seguida, usando o engodo de que a vitória na eleição dava legitimidade democrática para o regime fascista.

A desprezível e vergonhosa linha da socialdemocracia continuou depois das eleições em um vã tentativa de agradar os fascistas. O discurso do líder socialdemocrata, Otto Wels, na abertura do Reichstag de 23 de março, foi uma expressão importante desta linha. Ele, como líder do partido, renunciou abertamente a formar parte do Comitê Executivo da Segunda Internacional, acusando esta de propagar “histórias de atrocidades” contra os fascistas. A direção sindical declarou sua disposição a colaborar com os nazistas, aclamando em sua imprensa a “revolução” fascista, como uma triunfante “continuação da Revolução de 1918”.

Ele ressaltou que o inimigo era o comunismo, e que o "socialismo" nazista era um “assunto alemão” (Sozial Demokratischer Pressedient de 9 de março de 1933, citado por R. Palme Dutt). Rebaixado as profundezas da degradação e da traição à classe trabalhadora, com base nisso, o comitê executivo dos sindicatos fez uma convocação oficial para que os trabalhadores participassem dos atos hitleristas do Primeiro de Maio.

“Os líderes sindicais selaram a sua reconciliação com o novo poder da Alemanha”, podia-se ler no Daily Herald do dia 24 de abril de 1933.

A intenção dos reformistas socialdemocratas de jogar o papel de um adjunto reconhecido pelo fascismo fracassou, em parte pelo fato de que um enorme número de trabalhadores das grandes fábricas rejeitaram a convocação de seus líderes e não participaram dos desfiles nazistas do Primeiro de Maio. Uma vez que ficou demonstrado com clareza que os líderes socialdemocratas não podiam controlar os trabalhadores para servir aos fins fascistas, imediatamente em 2 de maio, os nazistas apreenderam os sindicatos, inserindo-os em sua própria Frente do Trabalho, colocou os líderes na prisão e em seus lugares nomearam funcionários nazistas.

“Os Leipart e os Garassmanns”, declarou Robert Ley, líder da Frente do Trabalho nazista, “podem professar a sua devoção à Hitler, mas estão melhores na prisão” (citado em R. Palme Dutt). 

Por sua vez, o Partido Socialdemocrata, depois de sua trajetória de humilhação, degradação e capitulação, partiu para a dissolução. Em 17 de maio todos os seus membros no Reichstag votaram a favor do governo fascista e participaram da aclamação unânime à Hitler. De pouco valeu a sua total submissão! Todas as propriedades do SPD foram confiscadas, e em 22 de junho a própria organização foi declarada “dissolvida”.

Assim, a burguesia obrigava a socialdemocracia a seguir a sua obra em condições de ilegalidade – as condições em que poderia ser mais útil para a classe dominante em caso de levante revolucionário do que se fossem próximos e abertamente identificados com o fascismo.

A honra de ser a única oposição consistente à burguesia, e particularmente ao fascismo, cabe ao Partido Comunista. O equilíbrio de forças entre classes que se deu durante o período em discussão impossibilitou que coroassem os seus esforços com sucesso, porém o fato é que a sua linha foi correta, e que a seguiu dentro do movimento da classe trabalhadora sem medo – disto, não se pode haver a menor dúvida.

Diante do que foi exposto, podemos enumerar as causas decisivas da vitória temporária do fascismo:

  • Estrangulamento da Revolução de 1918 em nome da “democracia” por parte da socialdemocracia e dos sindicatos, e a restauração do poder dos capitalistas, dos proprietários e das velhas instituições reacionárias;
  • O apoio da socialdemocracia e dos sindicatos aos regimes ditatoriais que antecederam a tomada do poder pelos nazistas; 
  • A rejeição dos socialdemocratas e da direção sindical à criação da frente única operária;
  • A recusa da socialdemocracia e da direção sindical em resistir a ascensão de Hitler ao poder ou no começo do terror nazista;

Como assinalou corretamente Palme Dutt: “A experiência na Alemanha de 1918 até 1933 é a clássica demonstração diante da classe operária internacional de como uma revolução operária pode ser destruída e cair no abismo da submissão da classe trabalhadora. É a demonstração, diante da classe operária internacional, de que o caminho da democracia burguesa conduz, passo a passo, à sua derrota inexorável”.

Na Áustria também “a vitória da revolução proletária... estava totalmente nas mãos da classe trabalhadora em 1918-1919, e só foi evitada pela socialdemocracia”. Esta era a opinião generalizada, e admitida pelos próprios líderes socialdemocratas. Otto Bauer retrata a situação n final da guerra em seu livro A Revolução Austríaca de 1918:
“Havia uma tremenda agitação nas barricadas do exército popular. O exército popular sentia que era o portador da revolução, a vanguarda do proletariado... Os soldados, com armas na mão, esperavam uma vitória do proletariado... ‘Ditadura do proletariado! Todo o poder aos Soviets!’ era tudo que se escutava nas ruas”.
Continua:
“O governo burguês não poderia ter lidado com essa tarefa. Teria sido desarmado pela desconfiança e desprezo das massas. Teria sido derrubado em uma semana por um levante de rua e desarmado por seus próprios soldados”.
 “Somente os socialdemocratas podiam manejar com segurança uma situação tão difícil e sem precedentes, por que gozava da confiança das massas operárias... Somente os socialdemocratas podiam deter pacificamente as tempestivas manifestações por meio da negociação e persuasão. Somente os socialdemocratas podiam dirigir o exército popular e conter as aventuras revolucionárias das massas trabalhadoras... O profundo abalo da ordem social burguesa foi expresso naquele governo burguês, um governo que sem a participação dos socialdemocratas, teria sido simplesmente impensável”.
“O papel da socialdemocracia austríaca foi, de fato, o mesmo que o da socialdemocracia alemã. A força da revolução dos trabalhadores foi destruída deliberadamente pela socialdemocracia em nome da “democracia” burguesa”. (R. Palme Dutt)
O desenvolvimento do fascismo na Itália, Alemanha e Áustria revela com clareza que o papel da socialdemocracia é crucial na ascensão do fascismo ao poder. Sem compreender esta interrelação entre a socialdemocracia e o fascismo, é impossível compreender a política capitalista desde o fim da Primeira Guerra Mundial, que marcou o abandono aberto da socialdemocracia, o que representa a ida de setores significativos do movimento da classe operária, especialmente dos sindicatos e liderança parlamentar, em todos os países imperialistas para o lado da burguesia.

Os partidos socialdemocratas jogaram um papel fundamental na destruição das revoluções operárias nos anos imediatamente posteriores à Primeira Guerra Mundial, na ascensão do fascismo nos anos seguintes, e na luta contra o comunismo desde a Segunda Guerra Mundial.

Postar um comentário

Documentários e Vídeos

Intelectual da Ucrânia fala sobre as "repressões de Stalin"  ¡Stalin de acero, conciencia del obrero! O nome da Rússia: Stalin, por Valentin Varennikov 

Postagens populares