Agora

domingo, 26 de agosto de 2012

I PARTE — TROTSKY E O TROTSKISMO


Baixar documento (Hotfile)
Baixar documento  (4shared)

INDICE
I PARTE — TROTSKY E O TROTSKISMO —
  • TEXTOS E DOCUMENTOS 
  • NOTA DA EDIÇÃO FRANCESA

SOBRE A CONCEPÇÃO DO PARTIDO DO PROLETARIADO
  • A discussão dos Estatutos do Partido no II Congresso do P. O. S. D. /?., Londres, 1903 
  • Os Estatutos e o oportunismo (V. I. Lenine) 20



i Parte - Trotsky e o Trotskismo (1)

sábado, 25 de agosto de 2012

Empresas que crecieron con los nazis y con la esclavitud de sus trabajadores



Da miedo lo eficientes que fueron los nazis dirigiendo a un país entero, incluyendo su población e industria, hacia sus funestos objetivos. Hay tres grandes empresas que se suelen mencionar siempre como colaboradoras con los nazis. Hugo Boss que diseñó los intimidantes uniformes de las SS (así como las monótonas camisas marrones de las SA y las juventudes hitlerianas); Volkswagen que diseñó el escarabajo a instancias de Hitler y los produjo como salchichas usando mano de obra esclava; e IBM que diseñó las fichas perforadas que sirvieron para sistematizar la exterminación de personas por raza y clase.

Sin embargo, estas no fueron las únicas empresas que actuaron conjuntamente con los nazis, otras empresas mundiales reconocibles hoy en día también vendieron sus almas al diablo de distintas maneras, y puede que le sorprendan algunos de los nombres que aparecen a continuación.

Chase Bank
Pensándolo bien, la colaboración de Chase Bank (ahora J.P. Morgan Chase) con los nazis no es tan sorprendente. Uno de sus accionistas más importantes, J.D. Rockefeller, fundó directamente los experimentos eugenésicos antes de la guerra. Entre 1936 y 1941, Chase y otros bancos estadounidenses ayudaron a los alemanes a recaudar más de 20 millones de dólares, que suponen un importe neto de comisión de 1,2 millones de dólares, de los cuales Chase se embolsó unos 500.000 dólares. Eso era mucho dinero en la época. El hecho de que los marcos alemanes utilizados para financiar operaciones proviniesen de los judíos que habían huido de Alemania no parece molestar a Chase, de hecho su negocio aumentó después de la noche de los cristales rotos (la noche en la que los judíos de la Alemania y Austria nazis fueron atacados por grupos en 1938). Chase también congeló las cuentas de los judíos franceses en la Francia ocupada antes de que los nazis les hubieran pedido que lo hicieran.

Ford
El propio Henry Ford era un conocido antisemita y publicó una colección de artículos bajo el encantador título The International Jew: The World’s Foremost Problem (El judío internacional: el mayor problema del mundo). Incluso patrocinó su propio periódico que utilizada como herramienta propagandística, culpando a los judíos de la Primera Guerra Mundial y, en 1938, recibió la Gran Cruz del Águila alemana, la medalla nazi de mayor nivel concedida a ciudadanos extranjeros.

La operación alemana de Ford produjo una tercera parte de los camiones militares utilizados por el ejército alemán durante la guerra, realizando mucho del trabajo los prisioneros. Lo que resulta aún más sorprendente es que Ford haya forzado a trabajar a mano de obra apenas en 1940, cuando el brazo americano de la compañía aún tenía pleno control.

Kodak
Cuando se piensa en Kodak, se imaginan fotos familiares y recuerdos capturados en una película, pero lo que hay que tener en cuenta es la mano de obra esclava que la filial alemana de la empresa utilizó durante la Segunda Guerra Mundial. Las filiales de Kodak en países europeos neutrales hicieron grandes negocios con los nazis, proporcionándoles tanto mercado para sus productos como valiosa divisa extranjera. La filial portuguesa incluso envió sus beneficios a la de La Haya, que estaba ocupada por los nazis en aquel momento. Además, esta empresa no solamente hacía cámaras, diversificaron el negocio y producían gatillos, detonadores y otros artículos militares para los alemanes.

Coca-Cola
Fanta es una bebida con sabor a naranja que originariamente fue diseñada específicamente para los nazis. Es cierto, los ingredientes para la cola que dan su nombre a la marca eran difíciles de importar, por lo que el director de operaciones alemán de Coca Cola, Max Keith, propuso una nueva bebida que se pudiera realizar con los ingredientes disponibles.

En 1941, Fanta se estrenó en el mercado alemán. El propio Max Keith no era nazi, pero sus esfuerzos por mantener viva la actividad de Coca-Cola durante la guerra hicieron que la compañía se embolsara importantes beneficios y que pudiera volver a distribuir coca cola a los militares americanos que se encontraban en Europa tan pronto como acabó la guerra.





Allianz
Allianz es la duodécima mayor empresa de servicios financieros del mundo. Fundada en Alemania en 1890, no resulta sorprendente que fueran la mayor aseguradora alemana cuando los nazis llegaron al poder. Como tal, enseguida se implicó en el régimen nazi. Su consejero delegado, Kurt Schmitt, también era el Ministro de Economía de Hitler, y la compañía aseguró las instalaciones y personal de Auschwitz. Su director general estaba al frente de la política que pagó al estado nazi en lugar de a los beneficiarios de los judíos afectados por la noche de los cristales rotos. Además, la empresa trabajó estrechamente con el gobierno nazi para localizar las pólizas de seguro de los judíos alemanes enviados a los campos de la muerte y, durante la guerra, aseguró las propiedades de las que despojaron a esos mismos judíos en nombre de los nazis.

Novartis
Bayer, aunque conocida por sus orígenes como una subdivisión del productor que fabricó el gas Zyklon B gas utilizado en las cámaras de gas nazis, no es la única empresa farmacéutica con esqueletos en el armario. Las empresas químicas suizas Ciba y Sandoz se fusionaron para constituir Novartis, más conocida por su famoso fármaco, Ritalin. En 1933, la filial berlinesa de Ciba despidió a todo el consejo de administración y lo sustituyó por personal ario más «aceptable». Entretanto, Sandoz estaba ocupada haciendo lo mismo con su presidente. Las empresas produjeron tintes, fármacos y productos químicos para los nazis durante la guerra. Novartis confesó su culpabilidad e intentó corregirlo como otras compañías cómplices aportando 15 millones de dólares a un fondo suizo de compensación a las víctimas de los nazis.

Nestlé
En 2000, Nestlé aportó más de 14,5 millones de dólares a un fondo para intentar afrontar las reclamaciones por la mano de obra esclava que presentaron los supervivientes del holocausto y organizaciones judías. La empresa ha admitido que compró una compañía en 1947 que utilizó mano de obra forzosa durante la guerra y también ha declarado que «también es cierto o se puede asumir que algunas empresas del grupo Nestlé con actividad en países controlados por el régimen del Nacional Socialismo (nazismo) tenían trabajadores esclavizados». Nestlé contribuyó a la financiación del partido nazi en Suiza en 1939 y acabó ganando un contrato muy lucrativo, siendo el suministrador de todo el chocolate del ejército alemán durante la Segunda Guerra Mundial.

BMW
BMW ha admitido que utilizó hasta 30.000 trabajadores forzados durante la guerra. Estos prisioneros de guerra, trabajadores esclavos y presos de los campos de concentración, produjeron los motores para la Luftwaffe y fueron obligados a ayudar al régimen a defenderse de aquellos que estaban intentando salvarles. BMW centrada únicamente en aviones y motocicletas durante la guerra, no tenía otra pretensión que ser el proveedor de la maquinaria de guerra de los nazis.

General Electric
En 1946 General Electric recibió una multa por parte del gobierno estadounidense por sus nefastas actividades durante la guerra. En colaboración con Krupp, una empresa productora alemana, General Electric de forma intencionada y artificial subió el precio del carburo de wolframio, un material de vital importancia para los metales de la maquinaria necesaria para la guerra. Aunque solo le impusieron una multa de 36.000 en total, General Electric ganó entorno a 1,5 millones de dólares de esta estafa solo en 1936, obstaculizando el esfuerzo por ganar la guerra y aumentando el coste para derrotar a los nazis. GE también compró acciones de Siemens antes de que estallase la guerra, convirtiéndose en cómplice del uso de mano de obra esclava para construir las mismas cámaras de gas donde muchos de los trabajadores afectados fallecieron.

Tomado de Euribor Blog

Fuente: Business Pundit

Comunistas ucranianos erguerão 4 novas estátuas de Stálin




A seção ucraniana do Partido Comunista de todos os Bolcheviques da União, organização fundada com o fim do velho Partido Comunista da União Soviética, anunciou que vai levantar quatro estátuas em honra a Josef Stalin no país.

A organização, reagrupada pela cientista social e militante Nina Andreieva, vai erguer as estátuas nas cidades de Kíev, Lviv, Odessa e Dniepropetrovsk.

O partido já ergueu estátuas para o ex-líder soviético e dirigente do PCUS nas regiões de Zaparíjie, Doniets, Sumi e Kharkiv.

Os comunistas informaram que é "um dever sagrado honrar a quem deu a liberdade nacional ao povo ucraniano". A direita filonazista do país incomodou-se com a notícia, taxando-a de provocação direta.

Com informações do blog La Conquista de La Civilización Socialista 

Fonte - Vermelho

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O Movimento Revolucionário Actual e o Trotskismo


O Movimento Revolucionário Actual e o Trotskismo
Introdução

Comité Central do Partido do Trabalho da Albânia

7 de Agosto de 1972


O desenvolvimento do movimento revolucionário da classe operária na época actual, como foi posto em evidência no VI Congresso do Partido do Trabalho da Albânia, exige uma luta consequente, tanto contra o oportunismo de direita dos revisionistas modernos, e é o mais importante, como contra as correntes e as prédicas «esquerdistas», sobretudo contra a actividade perigosa do trotskismo que se reanimou na época actual, desde os anos 60. No seu Relatório ao VI Congresso do Partido do Trabalho da Albânia, o camarada Enver Hoxha disse:
«Assiste-se actualmente a uma recrudescência sem precedentes de diversas correntes anti-marxistas como as dos trotskistas e dos anarquistas, que infiltrando-se nos diversos movimentos de massas, sobretudo de jovens e de intelectuais, tentam pescar em águas turvas, a fim de desviar as massas da via justa e de as levar a perigosas aventuras que conduzem a graves derrotas e desilusões».
Depois de ter lembrado as causas da reanimação do trotskismo, a revista faz realçar alguns traços característicos essenciais do trotskismo actual.
Do ponto de vista filosófico-metodológico, sublinha a revista, o trotskismo actual, tal como o que o precedeu, caracteriza-se pelo subjectivismo voluntarista, que consiste em não ter em consideração as condições objectivas que condicionam o desenvolvimento do movimento revolucionário à escala nacional e internacional, o carácter e as forças motrizes da revolução nas suas diversas etapas. As concepções trotskistas são igualmente o ecletismo e o pragmatismo, a falta de princípios constantes, o apoio em posições inteiramente opostas, a passagem de um extremo a outro, a fusão com as diversas correntes em nome das vantagens da ocasião, etc., que são outras tantas características das ideias trotskistas.
Do ponto de vista político e ideológico, o trotskismo actual caracteriza-se, antes de tudo, pela hostilidade para com o marxismo-leninismo revolucionário. É uma característica geral do antigo e do novo trotskismo. Anteriormente manifestou-se pela atitude hostil de Trotsky para com Lenine e o leninismo. Mais tarde, encontrou a sua expressão nas atitudes hostis deTrotsky e dos trotskistas para com Staline, as suas ideias, a sua obra e a sua direcção. Na época actual, a hostihdade dotrotskismo para com o marxismo-leninismo traduz-se pelo facto dos trotskistas se esforçarem por desviar a atenção do movimento revolucionário e da luta contra o revisionismo moderno e procurarem conduzi-lo a posições anti-stalinistas. Ostrotskistas apresentam sob um aspecto falso, a linha revolucionária marxista-leninista de Staline, qualificando-a de oportunista de direita. E, enquanto passam quase sob silêncio, a luta contra o revisionismo, apontara as baterias sobreStaline e o «stalinismo». Atacam igualmente Mao Tsé-tung e as suas ideias, o Partido Comunista da China e a Revolução Chinesa. Ao mesmo tempo, os trotskistas conciliam-se completamente com os revisionistas modernos nas posições principais. Com os revisionistas, atacam Staline e o Partido Comunista da Cliina, e dão o seu apoio às variantes de diversas correntes do revisionismo.
A cisão do movimento revolucionário da classe operária constitui um dos objectivos e um dos traços mais característicos do trotskismo actual, sublinha a revista.
As oscilações sem princípios «à esquerda» e à direita, a união ora com oportunistas de direita ora com os elementos mais extremistas e os aventureiros «esquerdistas», eis mais um traço característico das concepções e das posiçõestrotskistas.
O principal traço político característico do trotskismo actual, sublinha o artigo, é, como no passado, o facto de ele fazer a revolução em palavras e sabotar e sapar o movimento revolucionário na prática.
Indicando como os trotskistas sapam o movimento revolucionário da classe operária na etapa actual, a revista escreve que, pelas suas prédicas e posições, os trotskistas desintegram e dividem as forças motrizes do processo revolucionário actual. Nos países coloniais e semi-coloniais, onde a classe operária constitui ainda uma classe relativamente limitada, e onde, por consequência, o campesinato representa a maioria da população, a força numericamente superior da revolução, negam a revolução por etapas, negam de facto as possibilidades revolucionárias do campesinato e, por meio de slogans ultra-esquerdistas, afastam-no da classe operária, assim como das outras camadas intermédias. Enquanto nos países capitalistas desenvolvidos, onde a classe operária constitui a força principal de cada verdadeiro movimento revolucionário, ostrotskistas actuais propagam com obstinação o ponto de vista que, nestes países, as forças motrizes da revolução e os verdadeiros dirigentes do movimento revolucionário são, pretensamente, os jovens intelectuais e os estudantes. Ela testemunha claramente o facto da corrente trotskista ser propagada, sobretudo, entre a juventude estudantil, enquanto entre os operários a sua influência é absolutamente limitada. Nesta questão, portanto, a posição dos trotskistas aproxima-se da dos ideólogos burgueses do tipo Marcuse ou dos revisionistas extremistas de direita, de Fischer e outros. Mas sabe-se muito bem que, por muito desenvolvido que possa ser o movimento estudantil, não pode desempenhar um papel positivo efectivo na luta pelo derrubamento do capitalismo, se não se unir ao movimento revolucionário da classe operária e se não colocar sob a direcção do proletariado e do partido proletário marxista-leninista.
Mais longe, o artigo sublinha que a hostilidade dos trotskistas, antigos e novos, para com o movimento revolucionário da classe operária se patenteia claramente na posição para com o problema do partido proletário. O ponto de vista trotskista, nesta questão, pode ser resumido desta maneira:
  1. — Segundo os trotskistas, a existência e a direcção do partido proletário marxista-leninista não é inteiramente indispensávelna luta pelo derrubamento da burguesia e pelo triunfo do socialismo.
    É muito claro que, nesta questão, não há diferença essencial entre o ponto de vista trotskista e o que pregam os revisionistas modernos, jugoslavos, italianos e outros. Sabe-se que tais prédicas têm por objectivo deixar a classe operária sem uma verdadeira direcção revolucionária e servem apenas para sapar a Revolução e para abandonar a classe operária sob a escravatura capitalista.
  2. — Os trotskistas levantam-se contra a direcção indivisível do partido proletário marxista-leninista depois da tomada do poder pela classe operária e, paralelamente aos ideólogos diversos, burgueses e revisionistas de direita, preconizam o sistema de partidos múltiplos sob o socialismo.
  3. — Pregando a revolução «mundial» e subestimando o papel do factor interno, nacional, no desenvolvimento do movimento revolucionário, os trotskistas subestimam mesmo o papel do Partido proletário à escala nacional e falam do carácter indispensável de um «partido mundial».
  4. — Os trotskistas, embora em palavras se pretendam os herdeiros consequentes, e mesmo os únicos herdeiros de Lenine, levantam-se de facto contra os princípios leninistas da vida interna do partido proletário.
A propósito dos pontos de vista dos trotskistas sobre todas as questões supracitadas, o artigo cita P. Frank, D. Avenas, A. Brossat, K. Mavrakis, Mandel, etc ..., e desmascara e rejeita os seus pontos de vista(1).
Os factos estão aí para provar, escreve mais longe a revista, que o trotskismo actual é o inimigo jurado do movimento revolucionário da classe operária e dos povos, e uma arma perigosa nas mãos da burguesia e do imperialismo, a fim de semear neste movimento a confusão e a divisão, e de o sapar. Por consequência, a luta que visa desmascarar e destruir a corrente trotskista é, nas condições actuais, uma necessidade indispensável para desenvolver com sucesso o movimento revolucionário da classe operária, e uma tarefa actual de todos os marxistas-leninistas.
O esmagamento da corrente trotskista é inseparável da luta dos partidos marxistas-leninistas contra o revisionismo moderno, o revisionismo soviético em primeiro lugar, a fim de pôr um termo à desagregação e à confusão que causou no movimento revolucionário actual, que criou as próprias condições da reanimação do trotskismo, a fim de fazer compreender aos trabalhadores e aos povos o fosso profundo que separa os revisionistas do marxismo-leninismo e do verdadeiro socialismo, para tirar ao trotskismo a possibilidade de especular.
Mas a condição determinante para conduzir com sucesso a luta contra o trotskismo é o desenvolvimento do próprio movimento marxista-leninista, a elaboração por este movimento, em cada país, de um verdadeiro programa de luta revolucionário, a extensão e o aprofundamento dos partidos marxistas-leninistas nas massas, a fim de lhes dar uma clara orientação e de libertar das influências trotskistas os elementos revolucionários sinceros, desorientados pelo trotskismo.

Notas de rodapé:
(1) Lenine, Obras Completas, tomo XXII. p.45, edição russa. (retornar ao texto)
(2) Lenine, Obras Completas, tomo XXIV. p. 277-278, edição russa. (retornar ao texto)
(3) Lenine, Obras Completas, tomo XXVI, p. 66, edição russa. (retornar ao texto)


Fonte - marxist.org

URSS : OS MÉRITOS DE STALIN (EM FRANCÊS)

COMUNIDADE STÁLIN está a procura de tradutores que ajudem a legendar este vídeo em português!
URSS : LES MÉRITES DE STALINE
CONFÉRENCE PAR LUDO MARTENS, PTB



Conférence par LUDO MARTENS, PTB. CIC, Bruxelles. 
21/03/1995 -DURÉE EN MINUTES: 100 
Introduction sur l'importance de la question de Staline et exposé en 10 points 
Le rôle de Staline dans la guerre civile 
La construction du socialisme en URSS 
Construction du Parti Bolchevique 
Staline le théoricien 
La tâche de l'industrialisation 
La réalisation de la collectivisation 
La révolution culturelle 
Les épurations dans la préparation à la lutte antifasciste 
La contribution décisive pendant la deuxième guerre mondiale 
Impulsions des forces révolutionnaires et du socialisme dans le monde entier
----
Cet enregistrement est le produit de l’INEM et sa section audiovisuelle AV-Marx (marx.be voir docu-marx)
A l'origine, cette conférences était enregistrée et diffusée sur k7 vidéo vhs par Projet-Vidéo qui n'existe plus depuis 2000
URSS : Les mérites de Staline from Louis Crandell on Vimeo.


domingo, 12 de agosto de 2012

URSS VENCERIA AS OLIMPÍADAS DE LONDRES 2012



Mais de 20 anos depois da dissolução do bloco soviético, os países que outrora fizeram parte da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas - URSS - ainda ecoam um passado de glória fazendo sentir a força do esporte no socialismo. Mesmo com toda a decadência trazida pelo capitalismo nessas duas últimas décadas de retrocesso (incluindo nos esportes), a URSS seria a grande vencedora das Olimpíadas de Londres 2012. Confira o quadro de medalhas abaixo (atualizado em 12/08/2012).

POSIÇÃOPAÍSOUROPRATABRONZE           TOTAL
3RÚSSIA     24253382
12UCRÂNIA65920
18CAZAQUISTÃO71513
20BIELORÚSSIA35513
25AZERBAIJÃO22610
31GEÓRGIA1337
43LITUÂNIA1124
47UZBEQUISTÃO1034
52ARMÊNIA    0123
56LETÔNIA1012
58ESTÔNIA    0112
64MOLDÁVIA0022
79TADJIQUISTÃO0011
86QUIRGUISTÃO0000
86TURCOMENISTÃO0000
POSIÇÃOPAÍSOUROPRATABRONZE           TOTAL
1URSS464473163
2EUA452929103
3CHINA38272287

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Qual o melhor: Capitalismo ou Comunismo?



Autor: Aristeu Barretto de Almeida

A presente obra do professor Aristeu Baretto de Almeida é um importante trabalho de pesquisa que deve ser lido e conhecido por todo aquele que quer se aventurar na principal dinâmica histórica do século XX: a elevação da luta entre as classes sociais à condição de luta entre dois sistemas mundiais que posteriormente à Segunda Guerra se condensou no período que ficou conhecido como Guerra Fria.

O trabalho do autor cobre mais especificamente o período que vai desde a Revolução Russa de 1917 até o final da Segunda Guerra Mundial, vencida pela aliança que se formou contra o nazi-fascismo. Nessa aliança, nunca é demais lembrar, teve papel central o país dos sovietes.


Muito foi publicado recentemente sobre o período, principalmente sobre a construção do socialismo na URSS durante o período de Stalin, duramente caluniado pela imprensa dos países capitalistas, apesar de ter sido o grande arquiteto da derrota dos nazistas e de ter tido o reconhecimento de figuras mundiais como o presidente dos EUA, Franklin Roosevelt, que o considerava um professor.


Analisando mais de duas dezenas de obras, entre livros e artigos, que abordam o período a partir dos mais diversos pontos de vida, Aristeu faz um balanço do período objetivo e recheado de dados, principalmente econômicos, sua especialidade. Ainda hoje, quase um século depois da Revolução Russa, mesmo estando acostumados ao crescimento do PIB chinês, as tabelas apresentadas nos surpreendem com o célere ritmo do desenvolvimento econômico da URSS, que foi capaz de, em poucos anos, e após ter tido seu território arrasado pela Primeira Guerra Mundial e pela Guerra Civil que seguiu-se à Revolução de Outubro, além da intervenção das potências estrangeiras (até 1924), equiparar suas forças produtivas às das principais potenciais capitalistas.


Transcrevendo os autores pesquisados, sempre com o cuidado de indicar de onde proveio cada informação, que não podem ser confundidas com a opinião do autor, que quando aparece, é identificada como tal, Aristeu nos apresenta uma obra objetiva, mas sem deixar de tomar partido na polêmica que o século XX deixou em aberto e que os povos do mundo deverão responder no século XXI, conforme testemunhamos as consequências da Crise do Capital: Capitalismo ou Comunismo, qual o melhor?


Veja o Sumário do livro:

APRESENTAÇÃO – Pedro Castro
INTRODUÇÃO
Alta Tecnologia e Capacidade Ociosa
Necessidade Inevitável de Planejamento
BIBLIOGRAFIA – Autores Pesquisados


1a PARTE: EVOLUÇÃO DA RÚSSIA E DA URSS A PARTIR DE 1913
(Alguns comparativos estatísticos com os Estados Unidos)
Capítulo 1 – TERRITÓRIO E POPULAÇÃO
1.1 – Utilização de Terras
1.2 – População


Capítulo 2 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
2.1 – Agrícola
2.2 – Indústria de Ferro e Aço
2.3 – Outras Indústrias


Capítulo 3 – INDÚSTRIAS ENERGÉTICAS
3.1 – Petróleo e Gás Natural
3.2 – Energia Elétrica
3.3 – Balanço Energético


Capítulo 4 – TRANSPORTES FERROVIÁRIOS E AQUÁTICOS
4.1 – Ferrovias
4.2 – Transportes Navais


Capítulo 5 – MEDIDAS CONFLITANTES
5.1 – Desnecessária (ou Prematura) Nacionalização de Todas as Propriedades
5.2 – NEP – Nova Política Econômica
5.3 – Coletivização
5.3.1 – Ludo Martens – resumos
5.3.2 – Daniel Aarão Reis – resumos
5.3.3 – Harpal Brar – resumos
5.3.4 – K. Tkatchenko – resumos
5.3.5 – Manoel Coelho Raposo – resumos


Capítulo 6 – PLANOS QUINQUENAIS – resumo dos Autores
6.1 – Ludo Martens
6.2 – Deão de Canterbury
6.3 – Daniel Aarão Reis
6.4 – Emil Ludwig
6.5 – Joseph E. Davies
6.6 – Harpal Brar


Capítulo 7 – PROCESSOS DE MOSCOU – resumos dos autores
7.1 – Ludo Martens
7.2 – Daniel Aarão Reis
7.3 – Joseph Davies – Missão em Moscou
7.4 – Harpal Brar
7.5 – Ivan Alessander Benediktov


Capítulo 8 – PACTO MOLOTOV RIBENTROPP – resumos dos autores
8.1 – Ludo Martens
8.2 – Alexander Werth
8.3 – Joseph E. Davies
8.4 – Harpal Brar


2a PARTE: SITUAÇÃO MUNDIAL PRÉ 2a GUERRA


Capítulo 9 – HITLER NO PODER E ACONTECIMENTOS EM VÁRIOS PAÍSES


Capítulo 10 – REVIRAVOLTAS SEGUNDO LUDO MARTENS


Capítulo 11 – PACTO MOLOTOV – RIBENTROPP E CONSEQUÊNCIAS


Capítulo 12 – A INGLATERRA SÓ E OUTROS ACONTECIMENTOS


3a PARTE: A ALEMANHA INVADE A URSS


Capítulo 13 – ALEXANDER WERTH – A Guerra na Rússia
(Resumo do mais importante)
13.1 – Atrito Molotov – Hitler
13.2 – A Alemanha Invade a URSS de Surpresa
13.3 – A Resistência Soviética
13.4 – Exortação de Stalin em 3-7-1941
13.5 – A Guerra Relâmpago Alemã é Contida
13.6 – As Tropas Alemãs Atacam no Sul
13.7 – Indústrias são Transferidas para o Leste
13.8 – Perdas e Avanços de Produções
13.9 – O Exército Vermelho Ganha Experiência e se Fortalece
13.10 – Os Nazistas Investem Contra Moscou
13.11 – Os Alemães Atacam no Sul
13.12 – Nova Investida Contra Moscou
13.13 – Relações, Conversas e Ajudas de Outros Países
13.14 – Leningrado
13.15 – Combôio Para Murmansk
13.16 – Guerra no Sul da URSS
13.17 – Stalingrado
13.18 – Caucaso
13.19 – Kursk
13.20 – Ofensiva Final Soviética
13.21 – Guerrilhas


Capítulo 14 – LUDO MARTENS – Stalin, Um Novo Olhar – Resumo dos Mais
Importantes
14.1 – Aviso e Inicio da Invasão Alemã à URSS
14.2 – Discurso de Stalin
14.3 – Batalha de Smolensk
14.4 – Ofensivas Contra Moscou


Capítulo 15 – AYMOND CARTIER – A Segunda Guerra Mundial - Resumo do
Mais Importante
15.1 – Atrito Molotov – Hitler
15.2 – Barbarossa
15.3 – Invasão da URSS
15.4 – Tomar Moscou e Ganhar a Guerra em 1941
15.5 – Criméia e outras Regiões
15.6 – Frentes de Batalhas, Ajudas e Alemanha Perdendo
15.7 – Vitórias Soviéticas


Capítulo 16 – SUSAN BUTLER (org.) – Prezado Sr. Stalin – Correspondência
entre Roosevelt e Stalin
16.1 – Invasão da URSS
16.2 – Ajudas Americanas
16.3 – Desfile dos 24 Anos da Revolução
16.4 – Molotov “martelo” Pede 2a Frente em fins de 1942
16.5 – Navios com Ajudas, Afundados
16.6 – Ataques Alemães em Várias Frentes
16.7 – Transferências de Empresas e do Governo
16.8 – Ajudas Americanas e Solicitação de Stalin
16.9 – Stalingrado
16.10 – Kursk e Outras Regiões
16.11 – Ofensivas Soviéticas Finais – Guerra ao Japão


Capítulo 17 – ZHORES E ROY A. MEDVEDEV – Um Stalin Desconhecido
17.1 – Em 1935, a Alemanha Começa a Preocupar
17.2 – Plano de Guerra à URSS
17.3 – Avisos à URSS, Providências e Cautelas
17.4 – O Extremo Oriente e o Gal Apanasenko


Capítulo 18 – OBSERVAÇÕES DE MAIS 4 AUTORES
18.1 – EMIL LUDWIG – Stalin
18.2 – JOSEPH DAVIES – Missão em Moscou
18.3 – HARPAL BRAR – Trotskismo e o Leninismo
18.4 – MANOEL COELHO RAPOSO – Stalinismo


4a PARTE: PROPOSIÇÕES, IDEIAS E FATOS POLÍTICOS


Capítulo 19 – DUAS MENSAGENS IMPORTANTES
19.1 – Mensagens do Embaixador Joseph E. Davies
19.2 – Carta do Atlântico


Capítulo 20 – LUDO MARTENS – STALIN – UM NOVO OLHAR
20.1 – Observações Variadas
20.2 – Stalin Contra o Futuro Khrushchovismo
20.3 – O Golpe de Estado de Khrushchov – As Intrigas de Beria – Complô dos Mé-
dicos
20.4 – A Morte de Stalin
20.5 – Intrigas de Khrushchov contra Beria
20.6 – Os Inimigos Reabilitados
20.7 – Khrushchov e a Contra Revolução Pacífica


Capítulo 21 – ALEXANDER WERTH – A GUERRA NA RUSSIA


Capítulo 22 – EMIL LUDWIG – STALIN


Capítulo 23 – SUZAN BUTLER (ORG) – PREZADO SR. STALIN, CORRESPONDÊN-
CIA COM ROOSEVELT E CHURCHILL


Capítulo 24 – ZHORES E ROY A. MEDVEDEV – UM STALIN DESCONHECIDO


Capítulo 25 – MANOEL COELHO RAPOSO – STALINISMO


Capítulo 26 – I. A. BENEDIKTOV – A URSS NA ÉPOCA DE STALIN E DEPOIS
26.1 – I. A. Benedktov - Escolhido Ministro da Agricultura
26.2 – P. K. Ponomarenk - Escolhido por Stalin, Seu Sucessor
26.3 – N. Khruschev no Poder


5a PARTE: ACONTECIMENTOS E 2a GUERRA MUNDIAL EM DIVERSOS PAISES E
REGIÕES


Capítulo 27 – ESPANHA


Capítulo 28 – POLÔNIA


Capítulo 29 – AUSTRIA, TCHECOSLOVÁQUIA E HUNGRIA


Capítulo 30 – BÉLGICA, HOLANDA E FRANÇA – INVADIDOS E DERROTADOS


Capítulo 31 – INGLATERRA
31.1 – Participação e Derrota em 1940
31.2 – Hitler quer paz com a Inglaterra
31.3 – Ofensiva à Inglaterra
31.4 – Afundamento do Bismark
31.5 – Bombardeios Aéreos
31.6 – Desembarque Perdido em Dieppe
31.7 – 2a Frente e Bombas Voadoras


Capítulo 32 – ITÁLIA


Capítulo 33 – IUGOSLÁVIA


Capítulo 34 – GRÉCIA E CRETA


Capítulo 35 – FINLÂNDIA E NORUEGA


Capítulo 36 – ÁFRICA


Capítulo 37 – JAPÃO


Capítulo 38 – CHINA


Capítulo 39 – ESTADOS UNIDOS


6a PARTE: A CRIAÇÃO DA URSS E 3 PERSONALIDADES INICIAIS
Capítulo 40 – FORMAÇÃO, PREPARAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA URSS
40.1 – Ludo Martens
40.2 – Deão de Canterbury
40.3 – Emil Ludwig
40.4 – Congressos do Partido Comunista da URSS
40.5 – Planos Quinquenais
40.6 – Dirigentes da URSS
40.7 – Pioneirismo Espacial


Capítulo 41 – PERSONALIDADES
41.1 – Lenin
41.2 – Stalin
41.2.1 – Ludo Martens
41.2.2 – Deão de Canterbury
41.2.3 – Alexander Werth
41.2.4 – Emil Ludwig
41.2.5 – Joseph Davies
41.2.6 – Harpal Brar
41.2.7 – Manoel Coelho Raposo
41.2.8 – K. Tkatchenko
41.2.9 – I. A. Benediktov
41.3 – Trotsky
41.3.1 – Ludo Martens
41.3.2 – Emil Ludwig
41.3.3 – Harpal Brar


7a PARTE: AJUDAS, BARBARIDADES, ENERGIA NUCLEAR E TRAIÇÃO
Capítulo 42 – AJUDAS
42.1 – Empréstimos e Arrendamentos
42.2 – Ajuda Americana
42.3 – Ajuda Inglesa
42.4 – 2a Frente


Capítulo 43 – BARBARIDADES – ATROCIDADES

Capítulo 44 – ENERGIA NUCLEAR


Capítulo 45 – TRAIÇÃO – FIM DA URSS


8a PARTE: DEMONIZAÇÃO DE STALIN E AS “BONDADES” DOS “ANJOS” DO
SALVE-SE QUEM PUDER CAPITALISTA


Capítulo 46 – DEMONIZAÇÃO DE STALIN E “BONDADES” CAPITALISTAS
46.1 – Stalin Tem Lugar Importante na História
46.2 – Trotsky Tenta Derrotar Stalin
46.3 – Tratado da Locarno – Isolamento da URSS
46.4 – As Bondades Capitalistas
46.5 – Lutas Contra Stalin
46.6 – Tukachevsky de Herói e Traidor
46.7 – Os Gulag
46.8 – Horrores nos Campos de Concentração Ocidentais
46.9 – Satanização de Stalin
46.10 – Opiniões Oportunistas
46.11 – Revoluções Oportunas
PALAVRAS FINAIS
Solução Pacífica Universal
Bela e Humana Mensagem Final de ROOSEVELT
BIBLIOGRAFIA – Autores e Fontes Pesquisados


Adquira esta Obra, Clique aqui!