domingo, 29 de dezembro de 2013

Stalin foi um herói e seus críticos trotskistas, psicopatas e fracassados


Por Cristiano Alves

Artigo escrito em resposta ao artigo "Trotsky foi um político e Stalin era um psicopata"


Recentemente chamou a minha atenção a exagerada publicidade dada a um romance de um autor cubano, "O homem que amava os cachorros". O romance, aclamado pela crítica "de esquerda" e ignorado ou até elogiado pela crítica de direita, trata-se de uma eulógia a Lev Trotsky, um dos líderes da Revolução Russa de 1917 que mais tarde confessaria a próprio punho seu intento de colaborar com o FBI na repressão aos comunistas dos Estados Unidos. Foi ainda curioso o fato de um blog "de esquerda" que traz como um de seus atrativos artigos que questionam "se era bom o cunnilingus de Kim Jong Il" ter trazido justo no dia do aniversário de Stalin um artigo difamando o líder soviético com as mais levianas acusações. Mas, longe disso, o que realmente surpreende mais do que as supostas "taras de Kim Jong" é a tara que certos intelectuais de esquerda mantém por um homem cujo "trabalho revolucionário" no ocidente apenas limitou-se a jogar lama na experiência soviética.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Com Stalin - Recordações - ENVER HOXHA


"No dia 21 de dezembro de 1979 transcorreu o| centenário de nascimento de Josef Stalin.
0 CENTRO DE CULTURA OPERARIA DE SÃO' PAULO , reverenciando a memória deste cirande marxista leninista publica no Brasil "Com Stáline-Recordações de Enver Hoxha',' obra editada na Albânia em 1979,em comemoração a data do nascimento de Stalin. "

Baixar documento (4shared)

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

URC - Nota sobre os acontecimentos na Ucrânia



Em manifestação reunida ontem na praça da independência de Kiev, na Ucrânia, contra a rejeição a um pacto da UE pelo governo de Viktor Yanukovitch, um grupo, de aproximadamente trinta homens encapuzados lança mão de uma corda para levar ao chão o monumento em homenagem a Lênin. 

Os homens que perpetraram a ação pertencem ao partido de oposição, Svoboda (liberdade). Eles se autodenominam nacionalistas. Esses “nacionalistas” ucranianos derrubaram a estátua do homem que simbolizou a liberação da Ucrânia da dominação do II Reich alemão e criou o regime social que, anos mais tarde, libertaria o mesmo país do domínio hitleriano, isso em uma manifestação pela adesão da Ucrânia ao domínio neocolonial da famigerada União proto-fascista Europeia. O partido do Svoboda é na verdade uma organização nazi-fascista, cujo principal ideólogo, Yuriy Myhalchyshym, reivindica o legado teórico de notórios fascistas. As acusações de neonazismo contra essa falange já apareceram mesmo em grandes jornais da imprensa internacional. Porém, agora que um pequeno grupo composto de não mais de trinta homens volta sua ação violenta contra uma dos maiores símbolos do comunismo, toda imprensa burguesa cria em torno disso uma imensa badalação. Diferente do que ocorre em outros países como o Brasil, por exemplo, onde os mascarados são perseguidos não só pelo Estado, mas também pela imprensa, que os acusa de ser um grupo de vândalos em contraposição aos manifestantes pacíficos, os “mascarados” ucranianos são apresentados como legítimos porta-vozes da opinião do povo ucraniano. Em sua cobertura os meios burgueses querem fazer crer que todas as pessoas que tomaram parte na manifestação desse domingo comungam da ideologia anticomunista. Eles menosprezam o perigo que representa a propagação por esses grupos de sua ideologia fascista entre uma parcela mais ou menos extensa da sociedade ucraniana, através de uma hipócrita retorica nacionalista, que em realidade está em contradição com o verdadeiro projeto patriótico de manutenção das boas relações com a Rússia e oposição aos pacotes econômicos da UE e a abertura de mercado para o Euro. Política indispensável para a manutenção da soberania nacional ucraniana, a defesa dos direitos sociais dos trabalhadores e a segurança da região. 

Mas o fenômeno mais curioso nessa história é como agora os liberais, que investem milhões em propaganda para equiparar fascismo e comunismo, hoje se riem de felicidade pelo ato perpetrado por um grupo de "nacionalistas" (leia-se continuadores do colaborador Nazi Stephan Bandera) ucranianos. Essa é uma velha aliança. São esses políticos liberais da Europa ocidental que estão por trás das perturbações políticas recentes naquele país, inclusive tomando parte direta nas manifestações. Já passaram pela praça da independência o ministro das relações exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, o ex-presidente grego Saakashvili, e chefes da diplomacia de outros países. Esses representantes da UE violam assim a princípio da não-ingerência e estimulam o fascismo, tudo em nome do lucro-máximo dos oligopólios euro-ocidentais.
Esse episódio mostra como o avanço da dominação imperialista está em estreita relação com a escalada do fascismo. A última crise econômica vivida pelo capitalismo teve como resultado o desencadear de mais uma ofensiva geral do imperialismo sobre os povos do mundo. Hoje o imperialismo lança intervenções armadas contra vários países, financia a subversão contra governos independentes que não se resignam com a perda de sua soberania e os ditames do capital financeiro, removem direitos trabalhistas nas metrópoles e quer cravar definitivamente suas garras sobre as periferias do capitalismo. O produto último desse processo é a mais nova aliança entre imperialismo e fascismo selada hoje na Ucrânia. Por sinal, não é um fato notável que em todos os países que a União Europeia absorva ou tente absorver o fascismo seja um fenômeno ascendente?

Que a espúria aliança entre o imperialismo da UE e o nazi-fascismo do Svoboda tenha centrado seu ódio na imagem de Lênin, um homem que morrera há quase noventa anos, é algo que só pode alegra a todos os leninistas. Afinal, que pode engrandece mais a imagem já colossal deste homem que despertar a cólera da pior escoria da sociedade atual? Mas o risco desse fenômeno não pode ser menosprezado. Um espectro ronda a Europa. Mas esse nada tem em comum com aquele anunciado pelo manifesto comunista. Não é fruto da luta revolucionária das massas trabalhadoras, mas a reação mais desapiedada a essa. E esse espectro é da inteira responsabilidade da ditadura do grande capital financeiro internacional e de sua mais recente crise geral. Os povos, que assim como os gregos e ucranianos, veem renascer com mais intensidade esse cadáver mal cheiroso devem consolidar uma sólida aliança popular em torno da classe operária. Aos povos de todos os países do mundo cabe manter firme a solidariedade com os países vítimas da ascensão fascista. A todos travar a luta sem quartel contra a ofensiva política, ideológica e militar da famigerada aliança imperial-fascista. 

UNIÃO RECONSTRUÇÃO COMUNISTA
São Paulo, 09 de dezembro de 2013

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Desestalinização é renazificação, alerta jornalista russo

Tradução de Cristiano Alves



"Hoje, a propósito, quando os neonazistas do campo liberal ou os neonazistas do camposkinhead propagandeiam Hitler, eles o fazem menosprezando Stalin. Eu entendo a desestalinização como um processo de renazificação. Pois se é ruim Stalin, que derrotou Hitler, o Stalin dos tempos da guerra, quer dizer que Hitler é bom" Maxim Shevchenko



Por Maxim Shevchenko.

Legendas de A Página Vermelha (apaginavermelha.blogspot.com)

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Entrevista: Entender e defender a Coréia do Norte


Por Yongho Thae
Via Invent the Future
Traduzido por Paulo Gabriel, do Centro do Socialismo

Nota dos Editores (Centro do Socialismo)Yongho Thae é o embaixador norte-coreano na Inglaterra. Abaixo, traduzimos uma entrevista cedida por ele em Outubro a Carlos Martinez. Nela, o entrevistado trata de diversos temas que ainda causam polêmica em todos os lugares do mundo, como o programa nuclear da Coréia Popular, sua estrutura de Estado e sociedade, a Guerra Contra a Síria, a atual conjuntura latino-americana, etc.

Julgamos importante a tradução e publicação desse texto no Brasil e demais países de língua portuguesa por conta de uma experiência que vivemos recentemente.

Discursos de Lênin - Sobre os pogroms contra os judeus

sábado, 16 de novembro de 2013

Cantora 'executada' na Coreia do Norte dá um concerto com a sua banda de 'fuzilados'



Coreia do Norte - Diário Liberdade - Depois de ser notícia na imprensa burguesa e pró-imperialista internacional pela sua "execução" por parte do "regime" norte-coreano, Hyon Song Wol reapareceu cantando no aniversário da fundação do Partido do Trabalho da Coreia.

Junto à "executada" Hyon Song Wol, com bom aspeto dadas as circunstâncias, compareceu a banda Moranbong, que os grandes meios de comunicação capitalistas internacionais davam por "liquidada" na sua totalidade dentro de uma suposta "operação repressiva" que teria como origem terem participado num vídeo pornográfico.

sábado, 9 de novembro de 2013

A BATALHA DE MOSCOU (30.09 – 05.12.1941)


Tradução de trechos das memórias de G. Zhukov, A. Malinovski, K. Rokossovski e de A Gran Guerra Patria de la Unión Soviética – 1941-1945 – sobre a Batalha de Moscou
"A Rússia é grande, mas não temos onde retroceder: atrás de nós está Moscou"
"No verão e no outono de 1941, o Comitê Central do Partido, o Comitê de Defesa do Estado e o Comando Supremo adotaram varias importantes medidas para fortalecer a defesa da capital, formar consideráveis reservas militares e completar o Exército de Operações com novas unidades e material. Se adotaram medidas complementares para barrar o inimigo" (G. Zhukov, V. II, p. 19).

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Cerca de 60% dos russos acredita que o comunismo foi mais positivo que negativo

Por Interfax
Publicado por 21 Manifesto
Traduzido pela Vila Vudu






Pesquisas de opinião mostram que, para 60% dos russos, havia mais aspectos positivos que negativos na vida na União Soviética.

Das 1.000 pessoas entrevistadas pela Fundação de Opinião Pública da Rússia [orig. Russia’s Public Opinion Foundation (FOM)] por telefone, numa pesquisa realizada em setembro de 2013, 14% disseram que, para elas, a palavra “comunismo” tem conotações “muito agradáveis”, “positivas” e “maravilhosas”; e 12% disseram que se sentiam muito nostálgicas em relação à era soviética.

sábado, 2 de novembro de 2013

Quem pagou a conta? A guerra secreta da CIA contra a Cultura



O livro Who Paid the Piper: The CIA and the Cultural Cold War (London: Granta Books) de Francis Stonor Saunders conta em detalhes a maneira como a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) infiltrou-se e influenciou um grande número de organizações culturais por meio de seus agentes e de organizações filantrópicas associadas, como as Fundações Ford e Rockfeller. O livro revela ainda como a CIA no pós guerra alistou muitos intelectuais na campanha para provar que o engajamento à esquerda é incompatível com a arte séria e o conhecimento.

O nome da Rússia: Stalin (por Valentin Varennikov) - Legendas PT

Jornalista russo cala a boca de uma liberalóide ao vivo (Legendas PT)



Maxim Shevchenko, de origem ucraniana, é um apresentador de TV, radialista e jornalista da Rússia perito em assuntos étnico-culturais.


60 milhões de pobres nos EUA: http://www.youtube.com/watch?v=9cREd0...



Legendas de de A Página Vermelha: apaginavermelha.blogspot.com

Intelectual da Ucrânia fala sobre as "repressões de Stalin" (Legendas PT)




sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Neto de vítima de Stalin diz quem foi o líder soviético ao vivo ( Sergey Kurginyan, sobre Stálin)

Veterana da II Guerra conta quem foi Stalin em plena TV russa ao vivo



Depoimento da Capitã Klavdiya Ivanova, veterana da Segunda Guerra Mundial condecorada com várias medalhas por heroísmo em combate.

Captain Klavdiya Ivanova, WWII veteran awarded with several medals for combat heroism.
Legendas: A Página Vermelha (apaginavermelha.blogspot.com)

Russos depositam flores no túmulo de Stalin




Russos depositam flores no túmulo de Stalin e seu neto Yakov Djugashvili e o general Borís Petrov dão entrevista sobre seu período.

Legendado por A Página Vermelha: apaginavermelha.blogspot.com

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Banda de Punk Marxista-Leninista Los Monstruitos - Tres tristes trostkistas picaban piedra en un gulag - Legendas PT



Letra. 

TRES TRISTES TROTSKISTAS PICABAN PIEDRA EN UN GULAG 

Tres Tristes Trotskistas 
Que acabaron en un gulag por traicionarse entre ellos reflexionan 
por el error cometido al seguir a Leon Trotsky 
Llegando a la siguiente conclusión: 

¡¡TROTSTKY!! 
Maldito menchevique opuesto a Lenin y al marxismo leninismo 
Nos engañó y llenó el ejército rojo de oficiales zaristas 
¡¡Es él quien debería estar aquí!! 

Trotskistas sucios traidores 
Se fraccionan y dividen muchas veces entre ellos porque son traidores 
Igual que su líder Leon Trotsky. 
Ramon Mercader convertiste en icono obrero un piolet 

Trotskismo 
Corriente ideológica oportunista y pequeño burguesa 
con el entrismo se quiso destruir la unión soviética 
actualmente son vulgares reformistas rechazados por la izquierda 

Trotskistas sucios traidores 
Se fraccionan y dividen muchas veces entre ellos porque son traidores 
Igual que su líder Leon Trotsky. 
Ramon Mercader convertiste en icono obrero un piolet 

Tres Tristres Trotskistas 
Tracionando se entre ellos como es normal acabaron picando en un gran gulag 
Deseando la muerte a Leon Trotsky 
Ramon mercader convertiste en icono obrero un piolet

sábado, 12 de outubro de 2013

Telefone celular, mais comunista do que você imagina!

Telefone celular, mais comunista do que você imagina!

Por Cristiano Alves


Para o Dr. Karl Heinrich Marx, em "Crítica ao programa de Gotha", o bem estar dos operários é um objetivo da sociedade comunista


Se diz comunista, mas usa telefone celular e iPhone!!! Quem nunca ouviu essa frase, geralmente em tom histérico ou irônico, deste ou daquele ignorante direitista metido a conhecedor da história e da obra de Marx? A revelação que esse artigo fará certamente deixará muitos lambe-botas de capitalistas inquietos, talvez mesmo irritados. Certamente, ao usar um clichê tão caricato eles ignoram que uma invenção que costumam usar foi concebida originalmente num país socialista!

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Punks espanhóis fazem música ridicularizando o "antistalinismo"

Por Cristiano Alves


Conforme bem colocado pelo pensador marxista William Bland, antistalinismo é uma manifestação acentuada de "anticomunismo", onde o interlocutor normalmente ataca Stalin com os mesmos argumentos que usaria para desqualificar qualquer outro líder comunista, usando assim o georgiano como espantalho. Essa tendência foi ridicularizada por uma banda punk chamada "Los Monstruítos", da Espanha, país cuja revolução republicana recebeu grande assistência da União Soviética durante a liderança de I. V. Stalin. Confira:





Era un salvaje, un bárbaro, un genocida y carecía de simpatía
Un asesino de niños, ¡¡Se comía vivos a los niños!!
Solo quería poder y más poder
estaba cojo y era feo... un traidor que cuando gobernó
surcó mares de hemoglobina

Quería matar a toda "la gente" 6.000.000.000.000.000.000 de muertos
más o menos, no estoy muy seguro

Me ha salido un grano en la nariz...seguro que es culpa de Stalin
Mi novia me dejó antes de ayer... seguro Stalin, tuvo que ver

Stalin, liberó al mundo de nazis siguiendo la obra de Lenin
¿Qué coño me hablan de Stalin?
Stalin... ¿Qué coño me hablan de Stalin?
Camarada Stalin. SLAVA STALIN



Em português:

Era um selvagem, um bárbaro, um genocida e carecia de simpatia
Um assassino de crianças, comia crianças vivas!!!
Só queria poder e mais poder
estava manco e era feio... um traidor que quando governou
sugou mares de hemoglobina

Queria matar todo mundo, 6.000.000.000.000.000.000 de mortos
mais ou menos, não estou muito segudo

Saiu um grão do nariz... seguramente culpa de Stalin
Minha namorada me deixou antes de ontem... seguramente Stalin teve algo a ver

Stalin, libertou ao mundo dos nazistas seguindo a obra de Lenin
Que diabos me falam de Stalin?
Stalin... Que diabos me falam de Stalin?
Camarada Stalin. SLAVA STALIN(Glória, Stalin)

Fonte - A Página Vermelha

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Anticomunismo de esquerda - a cortada cruel

Por Michael Parenti*
Tradução de Cristiano Alves


Publicado originalmente no Greenville Post



Nota do editor: Parte oportunismo, parte carreirismo, parte negação voluntária (ou ignorância) da verdadeira dinâmica capitalista e imperial, e parte vínculo com o conforto de se estar dentro do perfil de "crítica permitida", o anticomunismo de esquerda continua a ter um grande papel na esquerda americana. Nesse tipicamente descritivo ensaio, Michael Parenti explora as razões pelas quais a postura anticomunista de esquerda devem ser vistas como realmente é: uma colaboração de fato com as forças que defendem o status quo das corporações [Esta seleção é do livro de Parenti Camisas negras e vermelhas: fascismo racional e a derrubada do comunismo (City Lights, 1997). Foi reproduzida aqui por cortesia do autor.]

Nota de A Página Vermelha: Embora o magíster americano aborde aspectos relativos à esquerda americana, "Anticomunismo de esquerda - cortada cruel", é sem sombra de dúvidas um texto atualíssimo e de alta relevância para a esquerda brasileira. Michael Parenti não é comunista, e nem mesmo tem afinidades com o marxismo, entretanto, o seu passado anticomunista e sua personalidade e conhecimentos dotados de senso crítico permitiram ao autor americano, que outrora criticara o anticomunismo de direita em seu brilhante trabalho "A cruzada anticomunista"(dos anos 70), identificar no "anticomunismo de esquerda" um fator cavalo de tróia que, longe de fortalecer a luta dos trabalhadores, apenas enfraquece-a com a deturpação de sociedades socialistas existentes hoje ou previamente, assim legitimando o status quo, a ordem capitalista. Essa postura, visível no meio político e acadêmico, apenas fortalece o discurso de direita. Conhecer a honestidade intelectual de Parenti é não apenas superar um antiamericanismo pueril, como um fator de engrandecimento do conhecimento.


quarta-feira, 11 de setembro de 2013

DEBATE: Bertone Sousa, o ex-toureador ataca denovo

Por Cristiano Alves

O artigo abaixo é uma tréplica de um artigo denominado "Cristiano Alves: um stalinista incurável", escrito por um charlatão denominado Bertone Sousa. Ele traz uma série clichês comuns à direita, alguns sem qualquer laivo de veracidade, apresentado pelo professor da UFT e histérico anticomunista.




Alguns leitores devem ter tomado conhecimento de um certo "Bertone Sousa", indivíduo prepotente, histérico ante a ideia de que a dogmática anticomunista na qual crê cegamente, tal como um cálculo matemático, na realidade carece de veracidade e de provas. De fato, comentando com alguns amigos historiadores apresentei o blog de tal sujeito e citei o seu artigo. Estes, ao tomar conhecimento do dito cujo, rapidamente duvidaram do diploma do sujeitinho citado, um deles, o historiador e professor formado pela UFBA Gilberto Oliveira, inclusive chegou a pesquisar sobre o sujeito, duvidando de que realmente fosse historiador. Percebeu o historiador baiano que o o ex-toureador Bertone formou-se recentemente pela UFMA. Ainda, desmantelou o mito de que "Stalin matou milhões", citando professores seus que apoiaram-se em dados estatísticos já citados em outros artigos em A Página Vermelha.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Uma senhora georgiana e o socialismo


Fonte - Realpolitik 


Navegando encontrei este vídeo que é uma entrevista com uma senhora georgiana, "Era a vida melhor sob Stálin?". Essa senhora nasceu em uma família pobre de trabalhadores manuais, ela mesma já fez trabalhos braçais, estudou sob o socialismo, serviu na guerra e inclusive foi super-intendente de uma campo de prisioneiros de guerra (principalmente alemães) - quer dizer, foi parte da "casta burocrática stalinista", apesar da sua pobreza não indicar isso para os incautos. De qualquer forma, me chamou atenção a extrema simplicidade da forma como ela entende o socialismo, captando em poucas palavras a lógica do mesmo de maneira que muitos acadêmicos e "teóricos marxistas" não conseguem.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Videoentrevista: Ex-embaixador do Brasil na Coréia do Norte

Parte 1


Parte 2

ARTIGO: "Democracia Burguesa e Fascismo" (Harpal Brar) - parte IV

Em maio de 2000, Harpal Brar, presidente do Partido Comunista da Grã Bretanha (Marxista-Leninista), apresentou o artigo "Democracia Burguesa e Fascismo", no Seminário Internacional Primeiro de Maio, em Bruxelas, organizada pelo Partido do Trabalho da Bélgica (PTB). 



"DEMOCRACIA BURGUESA E FASCISMO"

1. Fascismo: Crescimento repentino?
2. O que é o Fascismo?
3. Itália, então um país atrasado
4. Alemanha, a traição da Socialdemocracia
5. A Socialdemocracia aos olhos dos capitalistas
6. Fascismo e Demagogia
7. Fascismo e a Guerra
8. As bases das Liberdades Democráticas nos Estados imperialistas
9. Estados como Grã Bretanha, França ou Estados Unidos são alheios ao Fascismo?

terça-feira, 30 de julho de 2013

O Sistema Político na Coréia do Norte




"A fim de levar adiante exitosamente a causa socialista, a causa comunista, é preciso fortalecer o sujeiro da revolução e incrementar seu rol mediante a compacta aglutinação de todos os membros da sociedade em uma só força política, e exercer com rigor a ditadura sobre os inimigos de classe. A tarefa de mobilizar as massas populares na luta revolucionária e tarefa construtiva para a realização de sua independência só pode ser levada a cabo através do Poder popular baixo a direção do partido da classe trabalhadora."- Kim Jong Il em "DESPLEGUEMOS EN MAYOR GRADO LA SUPERIORIDAD DE NUESTRO PODER POPULAR" pg.3-4, 1992

Coreia Popular exige liberação de seu barco e tripulação detidos ilegalmente no Panamá



Em entrevista especial para a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA) o Ministério das Relações Exteriores da RPD da Coreia demanda ao governo do Panamá que libere o barco Chongchonggang que partiu do porto de Havana – Cuba, para voltar à Coreia pelo canal do Panamá.

“Recentemente ocorreu um incidente anormal em que as autoridades de investigação do Panamá detiveram o barco comercial de nosso país o Changchanggang que saiu de Havana e ia passar pelo canal do Panamá sob infundadas suspeitas de transporte de drogas. Prenderam o capitão e os 35 tripulantes coreanos atacando-os com violência e revistando à força o carregamento. Ao não descobrirem nenhuma droga tentaram defender sua ação violenta questionando outra carga. Essa carga se trata de armas velhas que devem ser reparadas e devolvidas a Cuba de acordo com contrato legítimo. As autoridades do Panamá devem tomar a medida de permitir de imediato a saída de nossos marinheiros e do barco detidos.”

Coreia Popular comemora 60 anos de vitória na guerra



Os festejos pelo 60º aniversário da vitória na guerra de 1950 a 1953 na República Popular Democrática da Coreia (RPDC) começaram nesta terça-feira (23), com o festival de mosaicos humanos Arirang, a maior representação mundial de ginástica. O dirigente Haroldo Lima viaja à Coreia para representar o Partido Comunista no Brasil nos festejos.

Para Haroldo essa data é muito significativa não só para os coreanos, mas para todos os povos do mundo, pois foi a primeira vez que um povo oprimido consegue derrotar o maior exército de guerra, os EUA.

Segundo Haroldo, o líder Kim II-sung foi o grande arquiteto desta vitória do exército guerrilheiro e por isso, merece ser saudado. Segundo conta Haroldo, os Estados Unidos tinham a ideia de tomar toda a Coreia e invadir a China, mas neste instante, Mao Tsé-tung conclamou o voluntariado para apoiar e defender o lado norte da Coreia. “Foi um milhão de chineses que aderiram à luta”.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

ARTIGO: "Democracia Burguesa e Fascismo" (Harpal Brar) - parte III

Em maio de 2000, Harpal Brar, presidente do Partido Comunista da Grã Bretanha (Marxista-Leninista), apresentou o artigo "Democracia Burguesa e Fascismo", no Seminário Internacional Primeiro de Maio, em Bruxelas, organizada pelo Partido do Trabalho da Bélgica (PTB). Segue a terceira parte da tradução (a primeira parte do artigo pode ser lido aqui e a segunda parte,aqui):


"DEMOCRACIA BURGUESA E FASCISMO"

1. Fascismo: Crescimento repentino?
2. O que é o Fascismo?
3. Itália, então um país atrasado
4. Alemanha, a traição da Socialdemocracia
5. A Socialdemocracia aos olhos dos capitalistas
6. Fascismo e Demagogia
7. Fascismo e a Guerra
8. As bases das Liberdades Democráticas nos Estados imperialistas
9. Estados como Grã Bretanha, França ou Estados Unidos são alheios ao Fascismo?

CLASSES SOCIAIS NECESSÁRIAS E SUPÉRFLUAS


Importante e pleno de actualidade este artigo de Engels, numa altura em que tanto se fala, por exemplo, nos proventos dos accionistas das empresas cotadas na bolsa, e nos salários e prémios dos gestores públicos ou privados...
Engels demonstra aqui de forma clara e sintética como evolui o sistema capitalista de produção e como este cava de forma inexorável a sua própria sepultura - não restando outro caminho à sociedade que não seja desapossar do poder a classe capitalista, exploradora, cada vez mais parasitária e supérflua.
  

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Por que defendo Stálin – reação a duas publicações burguesas


Stalin costumava perguntar, durante as sangrentas batalhas em Stalingrado e nos arredores de Moscou, capital que ele nunca pensou abandonar, os invasores nazistas já enfraquecidos, e seus aliados fascistas, as tropas italianas, já derrotados, o seguinte: "Quantas divisões tem o papa Pio 12?", o grande admirador de Hitler.
No dia 7 de março último, a Folha de S. Paulo, na seção Mundo, publicou as duas fotos acima, uma delas de duas venezuelanas da classe alta, sem dúvida carregadas de joias e com roupas caríssimas, recebendo abrigo na Flórida, festejando histericamente a morte de Hugo Chávez. Tive vontade de perguntar: "Quantas divisões elas têm?" Centenas de divisões made in USA. E quantas divisões tem a mulher venezuelana da outra foto, vestida humildemente, chorando de todo coração a morte do Comandante? Resposta: milhões de patriotas que são a maioria absoluta da Venezuela.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Trotsky e a história do trotskismo.


Jose Antonio Egido
                                                                       Membro do EHK - Euskal Herriko Komunistak

Trotsky foi de 1904 a 1914 um inimigo declarado de Lênin. Em 1904 ele o acusou de ser um ditador, autocrata asiático, revolucionário burguês  e cisionista fanático no seu panfleto "Nossas Tarefas Políticas". Ele se opôs à teoria leninista do partido. Trotsky foi um líder menchevique oposto  aos bolcheviques. Ele se opôs à tese de Lênin sobre a transformação da revolução democrático-burguesa em socialista, opondo a sua teoria da "revolução permanente", que nega o papel revolucionário do campesinato como aliado da classe operária.  Isso seria negar  a construção do socialismo na URSS, se houvesse uma revolução socialista no Ocidente. O tempo removeu completamente a sua razão.

POESIA: A culpa é de Stalin




Por Lucas Rubio

Escravos africanos: culpa do Stalin.
A Antártida existe: culpa do Stalin.
Hiroshima e Nagasaki: culpa do Stalin.
Nazismo: culpa do Stalin.
A Terra é redonda: culpa do Stalin.
A capital do Brasil é Brasília: culpa do Stalin.
Uma pessoa morre com um tiro na favela: culpa do Stalin.
Uma pessoa morre de fome: culpa do Stalin.
Uma pessoa morre por qualquer motivo: culpa do Stalin.
6 milhões de pessoas mortas: culpa do Stalin.
600 milhões de pessoas mortas: culpa do Stalin.
6.000.000.000.000.000.000.000 de pessoas mortas: culpa do Stalin.
A Pangéia se dividiu: culpa do Stalin.
A Lua só aparece de noite: culpa do Stalin.
Dilma é presidenta: culpa do Stalin.
Você tirou 0 em alguma prova: culpa do Stalin.
Você perdeu as chaves de casa: culpa do Stalin.
Sua internet caiu: culpa do Stalin.
Seu PC pifou: culpa do Stalin.
Você não tem namorada (o): culpa do Stalin.
Roubaram seu celular: culpa do Stalin.
Você está sem crédito: culpa do Stalin.
Sua (seu) namorada (o) te traiu: culpa do Stalin.
Você não ganhou na Mega Sena: culpa do Stalin.
Ficou de recuperação na escola: culpa do Stalin.
Seu programa de TV favorito não passa mais na TV: culpa do Stalin.
I Guerra Mundial: culpa do Stalin.
II Guerra Mundial: culpa do Stalin.
Guerra do Vietnã: culpa do Stalin.
Guerra da Coreia: culpa do Stalin.
Guerra do Iraque: culpa do Stalin.
Guerra dos Farrapos: culpa do Stalin.
Guerra do Contestado: culpa do Stalin.
Guerra de Canudos: culpa do Stalin.
Guerra nas Estrelas: culpa do Stalin.
Todas as pessoas mortas na II Guerra: culpa do Stalin.
Seus pais não te deixaram sair pra namorar: culpa do Stalin.
O cinema tá caro: culpa do Stalin.
A gasolina tá cara: culpa do Stalin.
Inflação: culpa do Stalin.
Aumento das passagens de ônibus: culpa do Stalin.
Os carros tem 4 rodas: culpa do Stalin.
Você foi mordido por um cão: culpa do Stalin.
Um gato te arranhou: culpa do Stalin.
Hugo Chávez chegou à presidência: culpa do Stalin.
Você está com dor de cabeça: culpa do Stalin.
Roubaram seu carro: culpa do Stalin.
Roubaram qualquer coisa sua: culpa do Stalin.
Você está encalhado (a): culpa do Stalin.
Acabou a luz nos 99% do seu download: culpa do Stalin.
Comem alguma coisa que você estava guardando na geladeira: culpa do Stalin.
Você prende seu pênis no zíper: culpa do Stalin.
Médicos cubanos estão vindo para o Brasil: culpa do Stalin.
Não te avisaram para correr para as colinas por causa do fato acima: culpa do Stalin.
Não descobriram o assassino (a) de Odete Roitman: culpa do Stalin.
Seu cachorro morreu: culpa do Stalin.
O Stalin tem culpa de algo: culpa do Stalin.
O Stalin se chama Stalin: culpa do Stalin.
Você nasceu no Brasil: culpa do Stalin.
Marte não é habitada: culpa do Stalin.
PS4 tá caro: culpa do Stalin.

Fonte - A Página Vermelha

domingo, 21 de julho de 2013

Considerações sobre a experiência iugoslava


Nesse post colocarei três textos para formação política e histórica que julgo serem de extrema importância para os comunistas. O primeiro é escrito pelo historiador belga Ludo Martens; o segundo é escrito pelo comunista albanês Enver Hoxha; o último são trechos que julguei mais valiosos de um texto escrito pela redação das revistas chinesas Renmin Ribao e Hongqi, chamado "A Iugoslávia é um País Socialista? Comentário Sobre a Carta Aberta do CC DO PCUS (III)", em 26 de setembro de 1963.
  
  • A essência do titoísmo 
  • O Imperialismo e a Revolução – Enver Hoxha
  • Os seguintes trechos retirados do livro "A Carta Chinesa, a grande batalha ideológica que o Brasil não viu", do Núcleo de Estudos do Marxismo-leninismo-maoismo; 2003, Editora Terra, 542 páginas. Nesse livro não há apenas a refutação dos titoístas, mas também dos revisionistas soviéticos, liderados por Nikita Khruschev.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Nota de repúdio à retenção do navio norte-coreano Chong Chon Gang no Panamá

A Comundiade Josef Stálin reproduz aqui a nota de repúdio da União Reconstrução Comunista, contra o ato desprezível de servidão do governo panamenho, de reter um navio comercial da RDPC. Nos da Comunidade Stálin, manifestamos nossa  incondicional solidariedade ao Governo da República Democrática Popular da Coréia e condenamos veementemente a mais essa afronta do imperialismo a esse povo, que é perseguido pelas garras do imperialismo, pelo fato único e exclusivo de ter resolvido ser um povo LIVRE.




Nota - RECONSTRUÇÃO UNIÃO COMUNISTA

A União Reconstrução Comunista, por meio desta nota, manifesta o seu mais profundo repúdio pela atitude tomada pelo governo panamenho em reter no canal do Panamá o navio norte-coreano Chong Chon Gang, que havia saído de Havana em direção à República Popular Democrática da Coréia. O governo panamenho reteve o navio comercial norte-coreano alegando suspeitas de “transporte de drogas”. Como informado pelo Ministério de Relações Exteriores da República Popular Democrática da Coreia, as autoridades panamenhas prenderam o capitão e os tripulantes coreanos, atacando-os com violência.

O governo cubano reconheceu que o navio transportava açucar e armamento obsoleto, que seriam reparados e devolvidos, de acordo com os recentes acordos estabelecidos entre Cuba e RPDC. É certo que o Estado panamenho, fazendo jus a sua posição de país lacaio, agiu sob ordens do imperialismo estadunidense, que se esforça para sabotar a cooperação existente entre a Repúlica de Cuba e a República Popular Democrática da Coreia.

UNIÃO RECONSTRUÇÃO COMUNISTA
Quinta-feira, 18 de julho de 2013   

quinta-feira, 18 de julho de 2013

URSS Uma nova Civilização CAPÍTULO IV — O homem como consumidor


Baixar documento (Hotfile)


CAPITULO IV — 0 Homem como Consumidor
  • O homem como consumidor
  • A hierarquia do cooperativismo do consumo, na URSS, em 1935
  • As reuniões de associados
  • O Comité de Administração
  • A União de Rayon (União Distrital) e seu Conselho ( Raisoyus)
  • A União Provincial (de oblast) ou de Republica e seu Conselho (Obsoyus)
  • O Congresso Geral de Cooperativas de Consumo e sua Junta Central para a URSS e a RSFSR ( Centrosoyus)
  • As padarias mecanizadas
  • Educação para o cooperativismo
  • Os resultados obtidos
  • Os rivais das cooperativas- de consumo na distribuição a retalho
  • Recentes invasões das atribuições do movimento cooperativo de consumo
  • O principio do auto-abastecimento
  • A amplitude do mercado

Documentários e Vídeos

Intelectual da Ucrânia fala sobre as "repressões de Stalin"  ¡Stalin de acero, conciencia del obrero! O nome da Rússia: Stalin, por Valentin Varennikov 

Postagens populares

Seguidores