Agora

sábado, 12 de outubro de 2013

Telefone celular, mais comunista do que você imagina!

Telefone celular, mais comunista do que você imagina!

Por Cristiano Alves


Para o Dr. Karl Heinrich Marx, em "Crítica ao programa de Gotha", o bem estar dos operários é um objetivo da sociedade comunista


Se diz comunista, mas usa telefone celular e iPhone!!! Quem nunca ouviu essa frase, geralmente em tom histérico ou irônico, deste ou daquele ignorante direitista metido a conhecedor da história e da obra de Marx? A revelação que esse artigo fará certamente deixará muitos lambe-botas de capitalistas inquietos, talvez mesmo irritados. Certamente, ao usar um clichê tão caricato eles ignoram que uma invenção que costumam usar foi concebida originalmente num país socialista!


Segundo a lenda, "o primeiro telefone celular foi inventado nos Estados Unidos". A mesma insiste que em 3 de abril de 1973, o diretor da companhia Motorolla, Martin Kutcher, apresentou em Manhattan um dispositivo de telefonia celular numa exposição. Todavia, foi somente em 1979 que a Travel Eletronics passou a comercializá-lo. Pesava quase um quilo, e seu valor era de aproximadamente US$ 3700,00. O custo de sua ligação era de 24 a 40 centavos por minuto.

Qualquer que pesquise sobre o nome de Leonid Ivanovich Kupriyanovich se dará conta de que sabe apenas sobre uma parte da história. O inventor comunista russo era um famoso engenheiro, conhecido por seus inventos na área de comunicação. Em 1955, ele publicara numa revista científica para radioamadores(Radio), a descrição de seu aparelho walkie-talkie, capaz de fazer ligações de até 1,5km de distância. Ele pesava cerca de 1,2kg e operava com dois tubos de vácuo.

Em 1957 ele apresentou a mesma versão de seu walkie-talkie, mas com um alcance de 2km e com o peso de 50g. Mas o engenheiro comunista não parou por aí, no mesmo ano ele apresentara o LK-1, um telefone celular que usava ondas de rádio, tinha o alcance de 20 a 30Km de distância e uma bateria que durava 20 a 30 horas. O dispositivo manual pesava cerca de 3kg e dependia de uma estação. Segundo Leonid Ivanovich, a estação podia servir a vários clientes. O soviético patenteou seu telefone celular em 1957(Certificado № 115494, 1.11.1957). Em 1958, no Instituto de Investigação Científica de Voronej(VNIIS), Kupriyanovich iniciou a pesquisa por um sistema próprio de comunicação celular. Suas descobertas científicas eram constantemente publicadas na mais famosa revista sobre tecnologia editada na União Soviética, a Nauka i Jizn(Ciência e Vida).

Kupriyanov experimenta o seu LK-1 enquanto lê um livro em um carro

Em 1958, Leonid Kupriyanovich foi mais além, "encolhendo" sua invenção para um tamanho cabível no bolso. O aparelho de engenheiro comunista não apenas permitia ao usuário fazer ligações, como também recebê-las de telefones residenciais e também de telefones de rua. Tinha aproximadamente o tamanho de uma caixa de cigarros, como a maioria dos celulares atuais.

Kupriyanovich testa e exibe sua invenção: o aparelho celular

Em 1961, o engenheiro da União Soviética desenvolveu um dispositivo ainda menor, que cabia na palma da mão, e tinha um alcance de mais de 30km. Segundo Leonid, no mesmo ano foi planejado a fabricação desse objeto em larga escala, segundo sua entrevista dada à agência de notícias APN. O inventou também comentou sobre o planejamento da construção de estações de telefonia celular.

Celulares nas décadas de 50 e posteriores na URSS, compatíveis com uma capa ou terno
O primeiro dispositivo de telefonia celular nacional acabou sendo o "Altay", distribuído comercialmente a partir de 1963, e em 1970 ele já estava presente em mais de 114 cidades da URSS. Muitos de seus dispositivos foram inicialmente empregados pelo universo médico, em hospitais, e depois por táxis no país. O sistema foi usado em países do Leste Europeu como a Bulgária, e exibido na exposição internacional Inforga-65.



Logo, dá próxima vez que vir alguém sofismar dizendo que "comunista de verdade não usa celular", ou que "iPhone é coisa capitalista", faça questão de lembrar ao tagarela que o invento que ele usa, que contém algarismos(invenção da Índia escravista que não o torna escravocrata), foi criado pelo comunista Leonid Ivanovich Kupriyanovich, surgiu na União Soviética, e não nos Estados Unidos e sua patente é uma prova disso! 



Patente da invenção de Kupriyanov

Argumentos escatológicos são facilmente refutados com pesquisa e leitura, com o conhecimento dos clássicos do marxismo-leninismo, que revelam que seus magísteres sempre se mostraram favoráveis à tecnologia. Karl Marx escreveu na "Crítica ao programa de Gotha" que era necessário que os trabalhadores desfrutassem de conforto material no socialismo. Marx e Engels eram entusiastas do progresso industrial, condenando os métodos pelo qual foi alcançado, Lenin era um entusiasta da tecnologia, e em sua obra política fez questão de enfatizar que o comunismo dependeria do poder soviético mais a eletrificação de todo o país(a eletricidade era, então, talvez a mais avançada forma de tecnologia humana em sua época), a era de Stalin permitiu ao homem soviético dominar a mesma força que gera o sol, a energia nuclear, e Che Guevara, aluno deste último, costumava apresentar como uma das definições de socialismo a democratização da tecnologia. Logo, longe de ser proibido ao obreiro ter um iPad ou iPod, este pode ter a consciência tranquila de que é plenamente comunista portar um aparelho celular(especialmente se tiver uma capinha comunista para deixar anticomunistas irritados!), uma invenção de um gênio comunista soviético que facilita e dinamiza as telecomunicações.



Fontes de consulta:



- Muzey Oborony Mozga(Museu da defesa do cérebro). O celular soviético de Kupriyanov. Disponível em: http://brainexpo.livejournal.com/8873.html
- O primeiro celular do mundo. Artigo do site Portal o Rossii. Disponível em: http://www.opoccuu.com/pervyj-mobilnik.htm
- Em 9 de abril de 1957, na URSS, foi produzido o primeiro celular do mundo. Artigo do site Za russkoe delo. Disponível em: http://www.zrd.spb.ru/news/2013-01/news-0286.htm
Postar um comentário