sábado, 16 de março de 2013

A FESTA DOS SAQUEADORES: A PILHAGEM DA URSS



Em 1987, a dívida externa dos EUA subiu para US$ 246 bilhões. E no dia 19 de outubro de 1987, Wall Street caiu. Só um milagre poderia salvar os EUA. E o milagre aconteceu, e seu salvador foi Gorbachev.

Gorbachev salvou a economia dos EUA arruinando a URSS.

Sabe como isso aconteceu?

Em janeiro de 1987 as restrições sobre o comércio exterior foram revogadas. Essas restrições protegiam o mercado interno da União Soviética do colapso. Sem eles, o mercado doméstico da URSS - com seus preços ridiculamente baixos para alimentos e bens essenciais de consumo, em comparação com os mercados estrangeiros - não poderia manter-se por um único dia.

E, de repente, empresas e indivíduos foram autorizados a exportar alimentos para o exterior, matérias-primas, equipamentos eletrônicos, energia, produtos químicos, simplesmente... tudo!

Era como se um furacão poderoso tivesse passado sobre o vasto território da URSS. Em apenas um instante ele sugou para fora do país todos os produtos de valor. Mantimentos e objetos manufaturados desapareceram das prateleiras das lojas.

A pilhagem das reservas de ouro

Em 21 de julho de 1989 novos regulamentos alfandegários revogaram todas as restrições sobre a exportação de ouro e pedras preciosas.

O trabalho das alfândegas soviéticas dos últimos 70 anos foi imediatamente jogado no lixo.

Ouro, em quantidades até então inéditas, foi jogado para o mercado interno, a ser comprado a um preço interno, e então exportados.

Na época, o jornal "The Moscow Komsomol" descreveu assim o comércio de jóias: "Uma imagem brilhante de especulação desenfreada, a quota de vendas do Tesouro do Estado (Gokhran) para joias foi alocado mais e mais... Os contadores estavam sob ataque, o Tesouro do Estado era bombardeado com cartas solicitando novos suprimentos de ouro e pedras preciosas ... ".

O jornal "Izvestia" solicitou como medida de controle contra filas por ouro e diamantes "ser colocado no mercado uma quantidade formidável de ouro, tais como as reservas de ouro do Estado."

O jornal "Cultura Soviética" conclamou à remoção definitiva das barreiras alfandegárias para a exportação de ouro.

Depois de algum tempo G. Yavlinsky (responsável pela economia no governo na época) alarmou a imprensa com uma declaração sobre o desaparecimento das reservas de ouro. Mas tudo se acalmou rapidamente.

Ficou pior e pior

Naquele mesmo ano cidadãos exportaram individualmente 500.000 televisores a cores e 200 mil máquinas de lavar. Em 1988, apenas uma única família exportou: 392 geladeiras, 72 máquinas de lavar, 142 máquinas de ar-condicionado... Uma das milhares de organizações estrangeiras exportou: 1.400 ferros, 174 ventiladores, 3.500 peças de sabão e 242 kg de sabão em pó, produtos que foram especificamente comprados pelo Estado - por insistência do MPS - com moeda estrangeira, supostamente para o uso de cidadãos soviéticos.

Estes dados apareceram inadvertidamente na imprensa na época. Em 1989, sozinhos, em apenas um dos pontos de controles alfandegários, alguns indivíduos exportaram mais de 2 milhões de toneladas de produtos que estavam em falta na URSS.

Toda a produção da colhedora de algodão Krasnoyarsk foi exportada. Na época um bom lençol custava 5 rublos, uma folha dupla, 8 rublos. As exportações de pano triplicaram, as de algodão quase quadruplicaram, enquanto as de linho foram multiplicadas por 7.

Estes são números sobre exportações do Estado apenas. Exportações privadas superaram as do governo. Além disso, determinar os números exatos das exportações era impossível. O mesmo jornal "Izvestia" escreveu na época: "O nosso Estado é um dos poucos no mundo que não registra estatísticas aduaneiras."

Qual é o milagre “Balcerowicz” sobre o qual a mídia tanto fala?

Especialistas americanos sugeriram a Balcerowicz (o organizador e inspirador ideológico das reformas econômicas na Polônia) reduzir a produção e o comércio normais ao mesmo tempo que incentivava pequenos negócios.

Isso significava rebaixar a classe trabalhadora e transformá-la numa "nação de vendedores ambulantes." Todos esses indivíduos rebaixados, aos milhões, reuniram-se na URSS, como gafanhotos, e começaram a exportar tudo o que podiam colocar em suas mãos, desde mobiliário importado até pasta de dentes, e às toneladas.

No Congresso de Deputados havia um terrível escândalo e gritarias sobre a falta de pasta de dente para a população soviética. Nunca ocorreu aos representantes do povo questionarem-se sobre as causas que levaram à penúria flagrante de pasta de dente. Eles simplesmente decidiram comprar no exterior US$ 60 milhões de pasta de dente.

Quem ficou rico com esses 60 milhões de dólares?

Na França, de onde foi importado, o tubo de creme dental custava 15 francos, enquanto na URSS era vendido por um rublo. É claro que, em nenhum momento, a pasta de dentes saiu novamente para o exterior. Elas foram enviados para a Polônia em embalagens de 500 tubos (o pacote original da fábrica francesa) e, novamente, sem quaisquer restrições.

Os tubos foram transportados em carros-botas, compartimentos inteiros de trem, ou recipientes nos conveses dos barcos. Assim como as formigas que só deixam o esqueleto do corpo de um leão morto, as "piranhas de Balcerowicz" levaram tudo e deixaram o povo soviético com prateleiras vazias. Não havia um artigo de consumo, de produtos alimentares ou de aparelhos domésticos que não foi exportado.

Ficamos a pensar como é que estes bens haviam desaparecido, pois a indústria, ao longo dos anos, continuou a produzir em toda sua capacidade.

O "Pravda de Leningrado" de 1992

"Na URSS, até 1990-1991, produzimos 38 metros de pano per capita. Isso representava 75% da produção mundial de linho, 16% de lã e 13% de seda. De acordo com dados oficiais do Estado, apenas 50% dos produtos de linho e 42% dos produtos de lã foram exportados. "

Mas estes números não levam em conta as exportações por particulares. Porque, como gafanhotos, eles exportavam tudo o que podiam comprar.

A URSS produziu 21,4% da produção mundial de manteiga (a população soviética era 4,88% da população mundial). A produção de manteiga continuou a aumentar, mas por causa das exportações, os bilhetes de racionamento foram introduzidos. Na União Soviética, a produção de manteiga per capita foi de 26% a mais do que na Grã-Bretanha. Sendo assim, não havia manteiga nas lojas soviéticos, mas era possível comprá-la na Grã-Bretanha, sem qualquer problema. Estranho, não é?

As estatísticas oficiais consideravam como consumida na URSS toda a manteiga e a carne que foram enviados para armazéns que abasteciam as mercearias. Para a compra de manteiga e carne, os passaportes não eram obrigatórios, e conseqüentemente, produtos adquiridos na URSS, ainda que exportados para além de suas fronteiras, foram considerados como contribuindo para o bem-estar do povo soviético. De fato, toneladas de carne e manteiga nem passaram pelas lojas de varejo e foram diretamente para armazéns no exterior por mar (em contêineres), por via terrestre (rodoviário e ferroviário) e via aérea.

Todas as estatísticas demonstram que o insaciável povo soviético devorou tudo sozinho.

No final dos anos 80 e início dos 90, tudo tinha desaparecido. Meias e geladeiras, televisores e chapas, papel e máquinas de lavar! O gafanhoto voardor tinha devorado tudo, as salsichas e os peixes, a semolina e o açúcar. Panelas de alumínio, sopa de tigelas e colheres foram exportados a baixo preço mesmo sendo material muito valioso que tinha passado por fases de produção que exigem uma grande quantidade de energia e polimento. Os insetos e os exportadores de madeira corroeram o outrora poderoso navio que era a economia soviética e a reduziu a pó.

E em 1991, ela entrou em colapso.

Tatiana Yakovleva
Tradução de Glauber Ataide


Postar um comentário

Documentários e Vídeos

Intelectual da Ucrânia fala sobre as "repressões de Stalin"  ¡Stalin de acero, conciencia del obrero! O nome da Rússia: Stalin, por Valentin Varennikov 

Postagens populares

Seguidores